Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Divulgação
Divulgação

Roseana defende ex-secretário preso e bate boca com Dino

Ex-governadora afirma que prisão de João Abreu seria fruto de 'clima de perseguição'; sucessor rebate e diz que polícia cumpre ordens da Justiça

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2015 | 16h42

Em nota emitida na sexta-feira, a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB) defendeu seu ex-secretário da Casa Civil, João Abreu, preso ontem por suspeita de ter recebido R$ 3 milhões em propinas para garantir o pagamento de um precatório de R$ 134 milhões à empresa Constran-UTC. A peemedebista também criticou o sucessor, Flávio Dino (PC do B), a quem atribuiu a criação de um "clima ideológico de perseguição".

A suspeita sobre o ex-homem forte do governo Roseana tem como base as investigações da Operação Lava Jato - o doleiro Alberto Youssef teria intermediado a propina para liberação do precatório. O caso está sob jurisdição da Justiça estadual do Maranhão. Dino rebateu as acusações de Roseana pelo Twitter.

"Estamos estarrecidos com a absurda prisão do ex-Secretário da Casa Civil, João Abreu, empresário exemplar, chefe de família respeitável, membro destacado da classe empresarial e incapaz de praticar atos de que lhe acusam. No meu governo dedicou-se com honestidade e competência na condução da Secretaria da Casa Civil", afirmou Roseana. "Sua absurda prisão faz parte de um plano de perseguição para constranger a mim e às pessoas que comigo trabalharam e gerar espetáculos midiáticos que desviem a atenção da opinião pública para a paralisação em que se encontra o Maranhão."

Para a ex-governadora, Dino "gasta seu tempo fazendo o que lhe é mais agradável, odiando, perseguindo, distribuindo culpas aos que não lhe são simpáticos e apalpando as culpas dos culpados que o aplaudem".

Pelo Twitter, o atual governador afirmou que as suspeitas e investigações sobre propina relacionada a precatórios surgiram antes de que vencesse as eleições, no ano passado, e assumisse o mandato, em janeiro. "Não misturo ação política com a atuação do sistema de Justiça, que deve ser independente e comprometido com a Lei. Que é para todos", postou.

"A Polícia do Maranhão recebeu um Inquérito da Lava-Jato instaurado antes do nosso governo. E a polícia está cumprindo as ordens judiciais", explicou Dino. E completou: "O que queriam: que a polícia e a Justiça do Maranhão jogassem o inquérito de 2014 em uma gaveta profunda? Ou no Oceano Atlântico?".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.