Roseana conversa com Serra e encontra FHC

O ministro da Saúde e candidato do PSDB à Presidência, José Serra, e a governadora do Maranhão e presidenciável do PFL, Roseana Sarney, mantiveram longa conversa por telefone ontem em Brasília. Segundo o ministro, a ligação foi iniciativa da pefelista e a conversa foi "amena e simpática" - ele não quis revelar seu conteúdo. "Eu tenho ótimas relações com Roseana", limitou-se a dizer. À noite, ela foi recebida pelo presidente Fernando Henrique Cardoso no Palácio da Alvorada.Os dois movimentos da pré-candidata pefelista coincidem com a notícia de que o PMDB caminha para enterrar a idéia de candidatura própria e aceitar a vaga de vice na chapa de Serra. Fontes do PFL, contudo, dizem que partiu de Serra o telefonema. Roseana disse que combinou encontrar Serra na próxima semana, mas não deu detalhes da conversa. "Acho que a gente tem de ter um pacto de boa convivência", disse.Ao chegar para o encontro com Fernando Henrique, Roseana garantiu que está determinada a manter a candidatura e não há hipótese de aceitar o posto de vice de Serra. Ela deixou o Alvorada às 23h15, depois de duas horas, e contou que a conversa foi sobre a eleição. "Tratamos sobre como conduzir a sucessão tendo em vista manter essa união", explicou, referindo-se à base aliada.A governadora defendeu um "pacto de governabilidade", em que o Planalto e os governistas evitassem trocar agressões para permitir a Fernando Henrique conduzir o processo sucessório sem desgaste. Ela voltou a dizer que o adversário do governo não está nos partidos da base, numa referência aos candidatos de oposição. "Nós não estamos concorrendo entre nós."Roseana garantiu que a aproximação entre PMDB e PSDB não é motivo de preocupação para ela e o PFL e repetiu que o prazo para definição das candidaturas é maio (junho é o prazo final das convenções) "Até lá, nós vamos ter de conviver com estes flertes, namoros e noivados", comentou. "Assim como o PSDB está conversando com o PMDB, o PFL também vai conversar com o PSDB e outros partidos." Para ela, a tendência dos partidos da base é estarem separados no primeiro turno e aliarem-se no segundo.SarneyO encontro da governadora com Fernando Henrique ocorre quase duas semanas depois que o presidente procurou seu pai, o senador José Sarney (PMDB-AP), para deixar claro que não concordava com os ataques que integrantes do PSDB estavam fazendo à sua filha. Na avaliação de estrategistas tucanos, aliás, a posição ostensiva de Sarney em defesa da candidatura de Roseana é o principal obstáculo nas negociações entre os dois partidos.A governadora viajou ontem à noite mesmo para São Paulo, onde passa o dia de hoje fazendo gravações para o programa do PFL do dia 31. À tarde, quem chega a São Paulo é Serra, que no dia seguinte participa de inauguração da sede da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD) com Fernando Henrique.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.