Roriz chama manifestante de ?crioulo petista?

O PT do Distrito Federal entrou nesta sexta-feira com uma representação junto à Procuradoria-Geral da República contra o governador de Brasília, Joaquim Roriz, que chamou um manifestante de ?crioulo petista? durante um comício nesta quinta-feira em Brazlândia, cidade a cerca de 40 quilômetros do centro de Brasília.Os petistas querem que Roriz seja processado por crime de racismo e por incitação pública ao crime. A denúncia do PT contra Roriz foi baseada na divulgação de uma fita gravada pela rádio CBN. ?A declaração do Roriz é muito semelhante à do Ariel Sharon, que disse que se arrependeu de não ter matado o Arafat?, disse o deputado Geraldo Magela (PT-DF), que é candidato ao governo do Distrito Federal.Brincadeirinha?Foi uma brincadeira do governador?, explicou o secretário de Comunicação do Distrito Federal, Wellington Moraes. Segundo ele, o manifestante é Marinalvo Nascimento, eleitor de Roriz e seu conhecido há anos. Já teria inclusive, segundo o secretário, gravado uma fita de vídeo junto com o governador dizendo que, em nenhum momento, se sentiu atingido pela fala de Roriz.Wellington argumentou ainda que a fala do governador está sendo supervalorizada pela oposição. ?É natural que o PT, que está bem atrás nas pesquisas de intenção de votos, tente tirar proveito disso?, afirmou. Ele garantiu também o governador não é racista. ?Se o Roriz fosse racista não me contrataria?, observou, ao contar que o governador só o chama de ?negão?. Wellington é mulato.Planalto também não gostouAlém do PT, o governo federal também reagiu com indignação à fala de Roriz. Em nota divulgada nesta sexta-feira à noite, a secretaria de Estado dos Direitos Humanos, ligada ao Ministério da Justiça, lamentou que ?um governante da importância do governador do Distrito Federal emita tal afirmação, na contramão dos esforços do governo federal para combater o racismo, a discriminação racial e a intolerância no País?.A nota, que não está assinada, diz ainda que o secretário de Direitos Humanos, Paulo Sérgio Pinheiro, levará o assunto ao conhecimento do Conselho Nacional da Combate à Discriminação ?para exame e consideração das medidas cabíveis?. Por fim, a nota diz esperar que Roriz ?ofereça uma manifestação de conforto à vítima e à comunidade afrodescendente brasileira?.?Estão sendo precipitados e estão agindo como partidários do PT?, reagiu o secretário de Comunicação, ao tomar conhecimento da nota do governo federal.InquéritoNa representação entregue nesta sexta-feira à Procuradoria-Geral da República, o PT do Distrito Federal solicita a abertura de inquérito penal contra Roriz com base no artigo 5º inciso XLII da Constituição (?a prática de racismo constitui crime inafiançável e imprescritível?).A representação também pede a punição de Roriz, baseada nos artigos 147 e 286 do Código Penal, os quais prevêem penas de detenção a quem ameaçar alguém e incitar publicamente prática de crime.O PT também pretende entrar na próxima semana junto à Justiça Eleitoral de Brasília contra Roriz por uso da máquina pública na campanha à reeleição do governador. ?Ele está transformando todo o ato eleitoral em campanha e, por isso, precisa ser processado por improbidade administrativa?, disse o deputado Geraldo Magela.?Crioulo petista?Abaixo, o trecho da gravação divulgada pela rádio CBN, na qual o governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PMDB), chama um manifestante, que estava em seu comício, na cidade-satélite de Brazlândia, de ?crioulo petista?.A transcrição da fita está com erros de concordância feitos por Roriz. ?Eu quero que vocês observam aqueles que fazem as faixas, aqueles que falam o contrário. Não dá importância a essa gente porque é gente que está financiada pelo governo anterior. E está apenas querendo prejudicar as pessoas de bem que moram nos assentamentos. Expulsem das suas casas; não deixem queeles entrem nas suas casas porque eles só levam mal. Eles só desejam o mal para as pessoas. Ali está um crioulo petista que eu quero que vocês dêem um salva de vaias nele.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.