Rondeau será denunciado e não deve voltar ao ministério

Segundo a PF, há indícios de envolvimento do ex-ministro das Minas e Energia em esquema de fraudes

Vannildo Mendes e Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo,

30 de novembro de 2007 | 16h15

Seis meses depois de desencadeada a Operação Navalha da Polícia Federal que desmantelou um grupo especializado em fraudar obras públicas, o Ministério Público Federal oferecerá denúncia contra os envolvidos. Agentes da PF que cruzaram os dados da investigação e reconstituíram algumas diligências a pedido do MPF avaliam que o ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau deve estar entre os denunciados, pois persistiram os indícios de seu envolvimento com o caso, segundo antecipou a edição desta sexta-feira, 30, de O Estado de S. Paulo.       Veja também:   Lula só discute Minas e Energia após negociação sobre CPMF Tupi fortalece Minas e Energia; PMDB quer ministério por CPMF    Com a denúncia, Rondeau não deve voltar ao Planalto. Na última quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou encontro que teve com líderes do PMDB para dizer ao presidente do partido, Michel Temer, que o Ministério de Minas e Energia é da cota dos peemedebistas. Lula disse apenas que gostaria de pedir que a direção do partido avalizasse o nome, mesmo sabendo que a escolha será feita pelos senadores José Sarney (AP) e Romero Jucá (RR). Afirmou, ainda, que só preencherá o cargo depois da negociação da CPMF. De acordo com informações da cúpula do PMDB, o partido continua a defender a recondução de Silas Rondeau ao cargo, mas vai esperar a denúncia.   A cargo das subprocuradoras da República Lindôra Araújo e Célia Regina Delgado, o relatório do caso deverá ser entregue até a próxima semana à ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), encarregada do julgamento. As procuradoras, contudo, não confirmam se Silas estará ou não entre os denunciados, como espera a PF.Na operação, foram presas 46 pessoas: empresários, lobistas, prefeitos, um deputado distrital de Brasília, um ex-deputado federal e o ex-governador do Maranhão José Reinaldo Tavares.Cerca de 30 deles já estão com indiciamento definido. Eles são acusados de fraude em licitações, corrupção, tráfico de influência, superfaturamento de obras e desvio de dinheiro público, além de formação de quadrilha e outros crimes. O chefe da quadrilha, conforme as investigações, seria o empresário Zuleido Veras, um dos presos na operação e dono da construtora Gautama.Sobre Silas pesa a suspeita de recebimento de suborno de R$ 100 mil, entregue então a seu assessor Ivo de Almeida Costa, preso na operação, por Maria de Fátima Palmeira, diretora da Gautama. O ex-ministro nega ter sido o destinatário da propina e tem esperança de, absolvido, voltar ao ministério.   (Com João Domingos, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Operação NavalhaSilas Rondeau

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.