Rompimento pode ser visto como oportunismo, diz Jader Barbalho

Um dos fundadores do PMDB, o senador Jader Barbalho (PA), pai do ministro Hélder Barbalho (Portos) criticou nesta terça-feira a guinada da cúpula do partido pelo rompimento com o governo Dilma

Eric Decat, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2016 | 13h42

Brasília - Um dos fundadores do PMDB, o senador Jader Barbalho (PA), pai do ministro Hélder Barbalho (Portos) criticou nesta terça-feira a guinada da cúpula do partido pelo rompimento com o governo Dilma. O senador assim como o ministro não participarão da encontro do Diretório Nacional do PMDB, que oficializará o desembarque do governo. A reunião está prevista para iniciar às 15h e também não deverá contar com a participação do vice-presidente da República e presidente nacional da legenda, Michel Temer.

“Como fundador do PMDB tenho restrições a esse desembarque até porque esse rompimento pode, inevitavelmente, ser visto pela opinião pública como um gesto de oportunismo político”, disse o senador ao Estado. Jader não tem acompanhado de perto os desdobramentos das negociações pelo desembarque, desde o último domingo ele está internado no hospital Sirio Libanês, em São Paulo, onde realiza uma série de exames. Apesar de certo distanciamento, Jader reprova o “incomodo” que a legenda passou a demonstrar em ficar no governo, num momento de maior fragilidade da presidente Dilma.

“Não vou responsabilizar o Michel Temer. Acho que o PMDB não teria razão, depois tanto anos acoplado no poder, de passar para a opinião pública a ideia de que nós agora nos sentimos incomodado de fazer parte do governo. Isso depois de termos tantos ministros e centenas de cargos espalhados por todo o País. Fico muito preocupado com o juízo que a história fará do gesto”, disparou.

Ao ser questionado sobre o fato de a decisão ser por aclamação, Jader ironizou: “Acho que a aclamação serve para disfarçar a divergência. Me faz lembrar a peça Assim é (se lhe parece) de um dos maiores teatrólogo, Luigi Pirandello. Cria-se uma verdade”.

Sobre a permanência de Hélder Barbalho no governo, mesmo após uma decisão de rompimento pela direção nacional, Jader afirma que a decisão será tomada pelo próprio filho. “Evidentemente, o Helder é uma pessoa de partido, mas ele é quem vai decidir qual caminho vai tomar neste processo”.

Na conversa com o Estado, o senador também mirou suas críticas ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e à imprensa ao comentar sobre os impactos que a debandada do partido poderá causar no processo de impeachment. “Logicamente que contribui para acelerar o processo. Mas fico muito preocupado com a moral seletiva do PMDB e inclusive da imprensa. Já nem vejo mais no noticiário o Eduardo Cunha, acho que daqui a pouco ele passa a ser heróis de vocês da imprensa. Tenho ojeriza da moral seletiva, inclusive do meu partido”, ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.