Romário terá que provar filiação

Presidente do PSB no Rio corre risco de não se candidatar nas eleições deste ano

Luciana Nunes Leal , Agência Estado

14 Janeiro 2014 | 20h34

Rio - Presidente do PSB-RJ, o deputado Romário terá que provar ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) que estava filiado ao partido no dia 5 de outubro do ano passado, caso contrário não poderá se candidatar à reeleição ou ao Senado, como pretende. O TRE constatou que a filiação de Romário não está registrada na lista do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O caso será investigado pelo Ministério Público Eleitoral a pedido da juíza eleitoral Sylvia Leão.

Romário deixou o partido em agosto de 2013 por causa de desavenças com o prefeito de Duque de Caxias e ex-presidente regional do PSB, Alexandre Cardoso, mas voltou a se filiar no fim de setembro, em solenidade com a presença do presidente nacional do partido, Eduardo Campos, provável candidato à Presidência da República. Campos garantiu a Romário a candidatura a prefeito em 2016.

Alexandre Cardoso deixou o PSB, mas a briga continua, agora na Justiça. Como presidente regional, Romário entrou com ação em que pede a cassação do mandado do prefeito, por infidelidade partidária. Cardoso reagiu com o argumento de que Romário, por não estar filiado formalmente à legenda, não pode tomar providências em nome do partido.

O setor jurídico do PSB diz que o registro da filiação de Romário estava regularizado em outubro e algum problema deve ter causado a retirada do nome da lista do TSE. Sustenta ainda que a filiação do deputado aconteceu em evento público.

Caso não fique provada sua filiação, Romário não poderá se candidatar nas próximas eleições. A legislação eleitoral só permite candidaturas de pessoas que estejam formalmente filiadas a um partido até um ano antes da data da eleição.

Mais conteúdo sobre:
RomárioPSB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.