Rohter diz que não teve intenção de ofender a honra de Lula

O Ministério da Justiça informou que recebeu dos advogados do jornalista Larry Rohter, do jornal The New York Times, uma carta com um pedido de "reconsideração, com efeito suspensivo, contra a determinação do Ministério da Justiça de suspender a validade de seu visto de permanência" no Brasil. Assessores do ministério informaram que a palavra final sobre a carta será dada pelo ministro Márcio Thomaz Bastos, em entrevista em São Paulo. A carta informa que Rohter é jornalista do The New York Times desde 1984, ganhou prêmios de reportagem no Brasil e divulga há 32 anos notícias sobre o Brasil e os demais países da América Latina. A carta é assinada pelos advogados Celso Cintra Mori, Marta Mitico Valente e João Luiz Aguiar de Medeiros. Segundo o texto, Larry declara "jamais ter tido a intenção de ofender a honra do presidente da República" no artigo em que afirma que Lula estaria abusando de bebida alcoólica. Diz um trecho da carta dos advogados do jornalista: "A respeito do que menciona o artigo em questão (sobre o presidente Lula), o Requerente declara jamais ter tido a intenção de ofender a honra do Excelentíssimo Senhor Presidente da República, a quem já pôde até mesmo entrevistar em algumas ocasiões, e reafirma seu grande afeto pelo Brasil e seu profundo respeito às instituições democráticas brasileiras, incluindo a da Presidência da República", dizem os advogados, no pedido de reconsideração.Segundo o documento, Larry considera que o artigo publicado se limita a "veicular comentários", não contendo nenhum juízo de valor do repórter. "De todo modo reitera que o texto não foi escrito para ofender o Sr. Presidente, embora as repercussões e polêmicas posteriores à reportagem possam ter-lhe causado constrangimentos, os quais o Requerente lamenta", acrescenta o texto. Em seguida, a carta diz Larry Rohter manifesta sua "preocupação por entender que a versão de seu texto para o português não é fidedigna, o que pode ter causado a ampliação do mal-entendido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.