Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Ministro enviado para tratar de atingidos por chuvas na Bahia entra de férias

Rogério Marinho, da pasta do Desenvolvimento Regional, foi um dos escalados por Bolsonaro para coordenar ações de enfrentamento às enchentes

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2022 | 09h20

Um dos escalados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) para coordenar ações de enfrentamento às chuvas na Bahia, o ministro Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, entra de férias nesta quarta-feira, 5, com previsão de retorno para o dia 3 de fevereiro. O despacho que formaliza o afastamento do titular foi publicado na edição de ontem do Diário Oficial da União (DOU). Nesse período, quem assume é o secretário-executivo da Pasta, Daniel Ferreira.

Enquanto o presidente Bolsonaro era criticado por não interromper seu descanso no litoral catarinense para acompanhar a situação no Estado, o Poder Executivo era representado na região por uma comitiva de ministros. Acompanhado de Damares Alves, da Mulher e Direitos Humanos, Marcelo Queiroga, da Saúde, e João Roma, da Cidadania, Marinho sobrevoou o entorno de Itabuna, uma das áreas mais afetadas pela chuva, no dia 28 de dezembro. Em nome do governo federal, os titulares prestaram solidariedade às vítimas e se reuniram com governos locais para tratar de medidas de apoio. 

Marinho também sobrevoou cidades em Minas Gerais esta semana. Na segunda-feira, 3, ele visitou a região de Salinas, que também teve prejuízo após fortes chuvas neste início de ano. “Eu e a ministra Flávia Arruda (Secretaria-Geral), por determinação do Presidente Bolsonaro, estamos trazendo a solidariedade e a garantia que o governo não faltará aos municípios e vítimas”, escreveu o ministro nas redes sociais. 

A atuação dos ministros na Bahia foi o argumento de Bolsonaro para se defender de críticas no fim de 2021. O próprio Marinho também saiu em defesa do mandatário. Comentando a situação do Estado em 29 de dezembro, o ministro afirmou que o chefe do Executivo seria criticado mesmo se descobrisse a "cura do câncer".

Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que as férias do ministro “em nada interferem ou modificam os procedimentos e atendimentos aos Estados afetados”. Segundo a Pasta, o trabalho desempenhado pela Defesa Civil Nacional é técnico e segue protocolos preestabelecidos. O secretário-executivo Daniel de Oliveira Duarte responde pelo ministério na ausência de Marinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.