Rodada Doha é tema central de visita de Lula a Bush

A visita do presidente dos Estados Unidos George W. Bush ao Brasil neste mês teve como principal foco o acordo de biocombustíveis entre os dois países. Desta vez, na viagem de Lula aos Estados Unidos, as negociações devem ir além do acordo bilateral. Os líderes elegeram a Rodada Doha como o principal assunto. Na seqüência, está o tópico biocombustíveis e, depois, a ampliação do relacionamento econômico entre os dois países.Segundo informou o diretor sênior para o Hemisfério Ocidental do Conselho Nacional de Segurança dos EUA, Daniel Fisk, os dois presidentes devem discutir quais os próximos passos da Rodada Doha, quais líderes eles devem abordar juntos ou separadamente (para a evolução da Rodada). Contudo, ele destacou que não há nenhuma garantia de que haja uma definição ao final do encontro.Fisk também disse que, após encontro em Camp David, devem ser anunciados outros países que serão beneficiados pela cooperação na área de biocombustível. Segundo ele, os presidentes devem dialogar sobre como aumentar a cooperação para trabalhar com biocombustíveis a partir do memorando de cooperação assinado pelos dois países no Brasil. Na agenda serão discutias ações em "países da América Central e Caribe, região do globo mais dependente de combustíveis fósseis", ponderou.O Brasil tem grande experiência na produção de etanol a partir da cana-de-açúcar, completou Fisk, o que deverá contribuir para a ampliação da cooperação em países na região da América Central e Caribe.ExpectativasA Casa Branca vê a reunião deste sábado, a primeira vez em que Bush recebe um líder latino-americano em Camp David, como parte das conversas iniciadas em São Paulo. "Um dos assuntos que nós queremos reforçar é a importância do Brasil. O Brasil é a maior democracia e maior economia na América do Sul, e nós estamos cientes disso", disse Fisk.Para Lula, a reunião dará uma nova plataforma para promover o etanol brasileiro, segundo Alvaro Vargas Llosa, diretor do Centro de Prosperidade Global do Independent Institute. Ele destacou que o evento servirá também como mensagem aos críticos brasileiros de Lula, mostrando a sua capacidade de formar aliança tanto com Bush como com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.