Rio terá ambulatório para dependentes do fumo

O Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Rio, inaugura hoje um ambulatório para tratar dos dependentes de cigarro - droga responsável por 85% dos casos de câncer de pulmão atendidos no hospital. A inauguração faz parte da campanha para o Dia Mundial contra o Tabaco, que terá exposição fotográfica na estação do metrô na Carioca e na Central do Brasil. O Inca também fará o acompanhamento dos níveis de monóxido de carbono no organismo de fumantes por meio do monoxímetro. O Dia Mundial contra o Tabaco promove a abstinência do fumo por pelo menos um dia.O novo ambulatório terá profissionais de diferentes especialidades - médicos, psicólogos, fisioterapeutas - para atender aqueles que querem largar o vício. Além de cuidar dos doentes, que se tratam no Inca e não conseguem abandonar o fumo, a intenção do diretor Paulo di Biasi é reduzir o índice de tabagismo entre os seus funcionários.Hoje, 20% das 1.500 pessoas que trabalham no Inca são fumantes. "Esse é um Hospital do Câncer, e aqui dentro não se pode fumar por razões óbvias", disse. Inicialmente o ambulatório para dependentes do cigarro só estará aberto para pacientes e funcionários do Inca.PesquisaA Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro (Soperj) divulgou hoje alerta sobre os riscos do cigarro para crianças que convivem com pais fumantes. Pesquisa do presidente da Soperj, Sidnei Ferreira, feita com 200 alunos em escolas de classe média da região metropolitana revela que 26% das crianças cujos pais fumam tiveram a capacidade pulmonar reduzida. Entre aquelas que apresentavam tosse crônica, 80% eram filhas de fumantes."Filho de fumante é conhecido como criança tossidora. Ele tem maior chance de desenvolver doença respiratória e de se tornar fumante quando crescer", afirmou Ferreira. De acordo com os cálculos do médico, a cada 10 cigarros fumados num ambiente fechado e pequeno, a criança absorve a fumaça de um cigarro. "Isso é muita coisa, considerando que a criança tem um pulmão menor que o do adulto e ainda em formação", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.