Rio Paraíba do Sul será monitorado até novembro

Até novembro deste ano, a qualidade da água do rio Paraíba do Sul será monitorada via satélite em sete pontos do trecho paulista. O projeto Rede Piloto de Plataformas Hidrológicas de Coleta de Dados Automática, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, será colocado em prática por meio de uma parceria entre a Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental (Cetesb) e o Departamento de Água e Esgoto (Daee), com aprovação do Comitê de Bacias Hidrográficas do Paraíba do Sul.O Inpe ficará encarregado de coletar os dados eletronicamente, via satélite, e a Cetesb, de fazer a análise e disponibilizá-la para a população. Segundo o coordenador geral do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Inpe, Carlos Nobre, a divulgação da qualidade da água do Paraíba do Sul será importante para que a população se conscientize do estado do rio e passe a cobrar providências. "A intenção é transmitir os dados para a população em tempo real, permitindo que as pessoas passem a prestar mais atenção nesta questão tão importante, que é a despoluição do Paraíba do Sul", disse Nobre. O sistema de sensores automáticos é inédito no país e custou US$ 200 mil aos governos federal e estadual. Sete estações de monitoramento serão instaladas em bases da Cetesb ou de empresas particulares, entre os municípios de Santa Branca e Queluz . Segundo Nobre, os sensores vão indicar o total de oxigênio dissolvido, a condutividade elétrica, a acidez, a temperatura, além da quantidade de chuva. As informações serão enviadas para a central do Inpe em Cachoeira Paulista a cada três horas, o que possibilitará a constatação de situações de risco, como o derramamento de substâncias químicas por parte das indústrias. Os dados serão captados e transmitidos pelos satélites brasileiros Satélite de Coleta de Dados 1 e 2, pelo sistema Argus e pelo Sino-brasileiro de Recursos Naturais. "Nosso maior interesse é avançar nas pesquisas sobre a água para que os riscos de poluição possam ser evitados e a água tenha melhor qualidade", afirmou Nobre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.