Rio não distribui remédios a soropositivos há dois meses

Dez mil pessoas soropositivas estão desde dezembro sem receber medicamentos contra doenças oportunistas, como pneumonia e outras infecções, que deveriam ser distribuídos gratuitamente pelo governo do Estado. O número foi divulgado hoje pelo Grupo Pela Vidda. A ONG informou que 18 de 26 remédios que constam da lista do SUS estão em falta no Estado. Devido a um acordo, a União fornece o coquetelantiretroviral, os Estados distribuem a medicação contra infecções oportunistas e efeitos colaterais e os municípios, os que combatem doenças sexualmente transmissíveis.Por causa de situações como essa ? que costumam prejudicar também pacientes que sofrem de outras doenças crônicas,como hepatite C e problemas renais ? o Ministério Público realiza amanhã audiência pública com representantes dassecretarias estadual e municipal de Saúde e de ONGs. A audiência pode resultar em um termo de ajustamento de conduta.?Há um descaso por parte do governo do Estado do Rio de Janeiro com os doentes de aids, que precisam dos medicamentospara ontem e não para daqui a meses. Não há como esperar?, afirmou o secretário-geral do Pela Vidda, William Amaral. Eleressaltou que o número de dez mil soropositivos prejudicados pela falta de remédios refere-se aos doentes atendidos na redepública do Estado. ?São pessoas sem condições de comprar os medicamentos. A maioria vive com salário mínimo e algumasnão têm qualquer renda, estão em situação de total exclusão.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.