Rio e Santos começam a combater focos da dengue

Vários jardins de bromélias da zona sul carioca foram inspecionados ontem por agentes de combate à dengue da Secretaria Municipal de Saúde. Dois focos com larvas do mosquito aedes aegypt foram encontrados em um prédio de classe média alta na Lagoa Rodrigo de Freitas, onde dois porteiros e um morador ficaram doentes. "Foram dez dias terríveis, com dores no corpo inteiro", disse o morador Narciso Lopes, que teve o tipo mais grave da doença, o dengue hemorrágico. Lopes, que é engenheiro, não sabe se contraiu a doença no prédio onde mora. "Não dá para saber, tem o jardim aqui, mas também trabalho em São Gonçalo", disse.O supervisor geral da divisão da zona sul da Secretaria Municipal de Saúde, Jorge Ricardo Alves Traco, disse que os agentes estão surpresos com o fato de que mosquitos transmissores da dengue têm sido encontrados em locais onde teoricamente jamais estariam. "Encontramos coisas absurdas, como focos em bebedouros, o que é estranho porque o mosquito não se adapta a água gelada. Encontramos foco em tampa de garrafa com um ou dois mililitros de água. Tudo isso foge ao conhecimento anterior que se tinha sobre a doença e dificulta o combate à dengue, porque o mosquito agora está em todo lugar", disse Traco.Campanha em SantosA prefeitura de Santos iniciou hoje uma campanha contra a dengue, envolvendo 3 mil pessoas, entre funcionários municipais e voluntários. A prefeitura pretende vistoriar todos os quarteirões da cidade, que tem 160 mil imóveis. O prefeito Beto Mansur (PPB) manifestou preocupação com os dados disponíveis: as armadilhas instaladas em vários pontos indicam um grande crescimento de ovos e larvas do mosquito transmissor da doença e os números de casos registrados são crescentes: já são 784 doentes neste ano.Com verba contra a dengue reduzid a R$ 2 por morador, a prefeitura de Santos pretende punir com multa quem tiver em casa larvas do mosquito da dengue em casa. Segundo projeto aprovado em primeira discussão pela câmara da cidade, as multas variam entre R$ 200 e R$ 800. Paralelamente, a prefeitura dará prêmios para quem mantiver sua casa livre do mosquito, sorteando dentre este grupo moradores que vão ganhar 15 prêmios de R$ 300, com R$ 150 para os viznhos da direita e da esquerda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.