Rio de cartão-postal e famílias marcam início de programas na TV

Depoimentos familiares, cenas decartão-postal e clipes com música marcaram o primeiro dia depropaganda eleitoral gratuita na televisão para candidatos àprefeitura do Rio de Janeiro, nesta terça-feira. Com o maior tempo concedido para a exibição, Eduardo Paes(PMDB) abriu o programa com imagens de locais turísticos dacidade, embaladas por música. Em seguida, ele apareceu com suamulher e seus dois filhos. Foram mostradas fotos de suatrajetória política, como subprefeito de Jacarepaguá, vereadore deputado federal. O programa enfatizou as áreas de esportes (reforma doMaracanãzinho e construção do Estádio Olímpico João Havelange,o Engenhão, para os Jogos Pan-Americanos), saúde (com apromessa de construção de mais 40 Unidades dePronto-Atendimento 24 horas) e educação (com a proposta de fimda aprovação automática na rede municipal). A propaganda de Eduardo Paes terminou com outra propaganda:a do site do candidato, onde ele participaria de chat ao vivocom internautas, às 13h30. O senador Marcelo Crivella (PRB) começou seu programa com apromessa de fazer "campanha limpa", "sem ataques pessoais" aosconcorrentes. Com a abertura do ângulo da câmera, ostelespectadores puderam ver que o evangélico estava sentado nasala de sua própria casa, acompanhado da família. Com pouco tempo de programa, Crivella enfatizou suascaracterísticas familiares, alternando com clipes que mostravama cidade. A primeira pessoa a aparecer no programa de AlessandroMolon (PT) não foi o próprio candidato, mas o presidente Lula.Num palanque, Lula discursava: "Não tenham medo de ser petistae de carregar uma estrela no peito". Na cena seguinte, Molonreafirma o orgulho de integrar o partido. O próximo bloco segue a linha "homem de família", em que ocandidato é entrevistado numa sala de aula e conta sua históriapessoal e política. Imagens da infância, da carreira e dafamília são projetadas num quadro de giz. A ex-governadora Benedita da Silva (PT) e o senador EduardoSuplicy (PT) pediram votos para o candidato. A principal estrela do programa de Solange Amaral (DEM) foio prefeito do Rio, Cesar Maia. A proposta central da candidataé dar continuidade à atual administração. A democrata elogiou obras e projetos desenvolvidos porCesar Maia nos últimos 15 anos. "O Favela-Bairro é um projetoaplaudido no mundo todo", afirmou Solange. A médica Jandira Feghali (PCdoB) priorizou a área da saúde.Um infográfico eletrônico com o mapa da cidade foi usado para aapresentação de projetos em diversos bairros. O programa de Gabeira resgatou imagens de momentoshistóricos como a ditadura militar brasileira e o golpe contrao presidente socialista chileno Salvador Allende. Citou também sua carreira como jornalista e suaparticipação no Tribunal Bertrand Russel, criado pelo MovimentoComunista Internacional para "julgar" países que combatiam adoutrina. Extenso, o programa contou ainda com imagens e depoimentosde suas filhas e mulher. As moças apareceram surfando e andandode bicicleta. Com projeto visual colorido, mas tempo enxuto, ChicoAlencar (PSOL) apresentou brevemente sua trajetória política etentou firmar-se como politicamente "independente". No fim doprograma, os desenhos de barracos de uma favela e de prédios eespigões se uniram. Pelo limite imposto pelo relógio, os candidatos FilipePereira (PSC), Vinícius Cordeiro (PTB), Paulo Ramos (PDT) eEduardo Serra (PCB) limitaram-se a propagandas estáticas emambientes fechados.(Reportagem de Carla Marques)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.