Rio compra mais nove 'caveirões' para operar em favelas

A Secretaria da SegurançaPública do Rio de Janeiro anunciou nesta quinta-feira a comprade nove veículos conhecidos como "caveirões", aumentando de 12para 21 a frota desses blindados no Estado. Os "caveirões" são usados em operações em morros e favelasdo Estado. Estampado com o emblema do Batalhão de OperaçõesEspeciais da Polícia Militar do Rio (Bope) -- um crânio sobreduas pistolas com um punhal cravado na parte superior --, oblindado causa nas comunidades. Sua chegada é, na maioria dasvezes, sinônimo de mortes nos morros.Os novos modelos terão um reforço na parte dianteira paraderrubar barricadas montadas por traficantes na entrada dasfavelas afim de dificultar o acesso dos blindados. Os blindados foram arrematados em pregão eletrônico por umtotal de 3,6 milhões de reais. A empresa paulista vencedora do pregão eletrônico deveentregar os veículos ao longo do segundo semestre. "O primeiro chega na segunda-feira, e na outra, mais três.Os demais serão entregues de quinze em quinze dias", disse umassessor da Secretaria de Segurança Pública do Rio. Os "caveirões" tem capacidade para transportar até vintepoliciais e podem suportar disparos de armas calibre ponto 30,capazes de derrubar helicóptero. "É indispensável a presença de blindados mais ágeis, comcapacidade de locomoção e dirigibilidade mais próximos dosveículos convencionais", disse o chefe da Coordenadoria deRecursos Especiais da Polícia Civil (CORE), Rodrigo deOliveira. "Não só por causa da rapidez e da precisão do serviço, maspela dificuldade de acesso imposta pelos tipos de terrenos emque operamos. Há também os obstáculos criados pelos criminosos,que tentam impedir o nosso trabalho". A Polícia Civil ficará com dois dos nove blindados, e osdemais serão utilizados pela Polícia Militar. "Ao longo dos anos utilizamos os blindados nas maisdiversas situações. Por isso, constatamos a necessidade deadquirirmos viaturas com equipamentos e acessórios específicos,que atendam às exigências técnicas e táticas das açõesoperacionais em áreas de alto risco", avaliou o comandante doBatalhão de Operações Policiais Especiais da Polícia Militar(Bope), tenente-coronel Alberto Pinheiro Neto. O presidente da Comissão de Direitos Humanos da AssembléiaLegislativa do Rio, deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL),condenou a compra de novos blindados. "Sou radicalmente contra os caveirões. Nossa políciaprecisa de salários melhores, investimento e, principalmente,inteligência. A opção pela guerra é ineficaz e incipiente",declarou o parlamentar. (Por Rodrigo Viga Gaier; Edição de Fabio Murakawa)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.