Rio aposta na obstrução para evitar votação de vetos

Os parlamentares do Rio de Janeiro e do Espírito Santo apostam na obstrução para tentar evitar a votação dos vetos presidenciais ao projetos dos royalties do petróleo na sessão do Congresso marcada para a noite desta terça-feira. O deputado Alessandro Molon (PT-RJ) afirmou que a estratégia é levar a sessão para o mais tarde possível, apostando na falta de quórum durante a madrugada.

DENISE MADUEÑO, Agência Estado

05 de março de 2013 | 13h02

Além de usar os mecanismos de obstrução, Molon afirmou que está procurando parlamentares das bancadas de Minas Gerais e do Pará - Estados produtores de minério - para alertá-los de que os próximos a perder serão eles, com mudanças nas regras de exploração dessa riqueza. "Estou alertando esses parlamentares de que seus minérios terão seus royalties divididos entre todos os Estados. O que acontecer com o Rio de Janeiro e com o Espírito Santo acontecerá com Minas Gerais e o Pará, daqui um tempo", disse o deputado. Molon repetiu que o Rio de Janeiro "vai quebrar" caso seja derrubado o veto.

Dados da bancada fluminense apontam que o Estado deixará de receber R$ 3,1 bilhões este ano caso haja mudança na distribuição dos royalties, com a queda do veto. Ele afirmou que não haverá dinheiro para pagar os beneficiários da previdência no Estado. Molon fez as afirmações durante a reunião da bancada parlamentar fluminense com a presença do vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e prefeitos da região.

Tudo o que sabemos sobre:
congressoroyaltiesvotaçãorio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.