Rigotto diz que movimentos sociais debilitam governo Lula

O governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto (PMDB), disse nesta quinta-feira que os movimentos sociais estão "avançando demais" com as diversas invasões de áreas rurais, terrenos e prédios urbanos no País. "Isso debilita um governo que tem compromissos com as mudanças que eles desejam", avaliou, referindo-se ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Será que os líderes (das invasões) não percebem que cometem um erro estratégico?" Rigotto lembrou que o governo federal está há apenas sete meses no poder e tem disposição para dialogar, o que não estaria sendo compreendido pelos movimentos. Ele destacou que tem certeza de que o governo federal vai cumprir seus compromissos na área social. "Com toda a situação adversa que assumiu, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conseguiu, com muita competência, chegar a indicadores positivos", elogiou, referindo-se à queda do dólar e da inflação. Para o governador, a redução da taxa de juros é a primeira sinalização de que um novo ciclo vai se abrir. "A economia está ganhando oxigênio e em seguida as respostas serão dadas", previu. Nesta sexta-feira, o governador vai sugerir ao ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, a criação de um programa de crédito fundiário para acelerar a reforma agrária, sobretudo em Estados com pouca disponibilidade de terras para desapropriação, como o Rio Grande do Sul. A alternativa, parecida com o Banco da Terra, ofereceria financiamento de longo prazo, com juros simbólicos aos compradores e identificaria proprietários dispostos a vender suas terras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.