Rigotto denuncia boicote à sua pré-candidatura

O governador licenciado do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, em visita ao Piauí denunciou que estão tentando boicotar sua pré-candidatura à presidência da República. Ele está em campanha para a prévia do PMDB - que vai escolher o candidato a presidente da República - e disse que vai pedir à Polícia Federal que apure porque o material de divulgação da campanha não está chegando nos Estados onde está fazendo campanha. Rigotto começou a campanha das prévias pelo Piauí. Foi a primeira ação dele como governador licenciado. O governador anda acompanhado do senador Pedro Simon e dos deputados federais Eliseu Padilha e César Schirmer, ambos gaúchos.Na sede regional do PMDB do Piauí, Rigotto assegurou que em quaisquer circunstâncias o PMDB terá candidatura própria a presidente da República. Ele disse que com ele ou com Anthony Garotinho, que também disputa a prévia, o partido vai estar unido em torno de uma candidatura.O governador afirmou que não tem possibilidade de o PMDB abdicar de uma candidatura própria para apoiar a candidatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não temos a menor possibilidade de indicar vice na chapa encabeçada por Lula. O discurso é um só: candidatura própria. Todos trabalham na mesma direção." Para provar isso, o PMDB passou a atacar o governo. O senador Pedro Simon disse que nunca conheceu um governo tão corrupto quanto este. "Agora estão falando de um acórdão. O PMDB tem milhares de nomes que podem disputar a Presidência. Se não tivermos candidato para onde vamos? Eu tenho respeito por Lula. Eles erraram, mas agora estão tentando esconder os erros. Fizeram promessas mirabolantes e não cumpriram nenhuma. Não se pode comprometer o que não se pode cumprir."Em seu discurso, Germano Rigotto alegou que não teve tempo de percorrer o País e se tornar conhecido, mas está fazendo isso agora. Ele se licenciou do governo por quinze dias e tem visitado os estados. Do Piauí, Rigotto seguiu para o Maranhão e ainda percorrerá o Ceará, Bahia, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.O evento no Piauí foi coordenado pelo senador Mão Santa, que é pré-candidato ao governo do Estado. Ele também defende a candidatura própria para presidente e para governador, apesar da resistência de boa parte do partido que insiste em ficar atrelado ao governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.