Richa demite chefe de órgão acusado de ser ator pornô

O governo do Paraná confirmou, no fim da tarde de hoje, a exoneração do chefe da regional do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), em Cascavel, Valter Pagliosa, em razão de denúncia feita pelo ex-governador e atual senador Roberto Requião (PMDB), pelo Twitter, de que ele teria participado de um filme pornográfico.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

11 de abril de 2011 | 19h27

De acordo com a assessoria do governo, o governador Beto Richa (PSDB) foi "surpreendido" pela informação, exonerando o auxiliar assim que houve confirmação por ele próprio. O ex-chefe disse que, em razão da polêmica, havia pedido a exoneração ao governador. A decisão ainda não foi publicada em Diário Oficial.

Pagliosa, que hoje à noite participa de uma reunião com seu grupo político em Cascavel, disse que o filme A Outra Metade, de 2006, não era pornográfico, mas "erótico romântico", e, segundo ele, "não tem cenas de sexo explícito".

Ele foi presidente da Associação de Moradores do Bairro São Cristóvão, em Cascavel, e teve uma passagem como estagiário pelo IAP. A indicação para o cargo foi feita pelo deputado estadual Adelino Ribeiro (PSL).

O filme foi produzido pela Domínio Filmes e Atlântica Produções, da região de Cascavel, com participação de atores amadores. Na divulgação feita à época, ele era apresentado como tendo "belas mulheres, cenários paradisíacos e cenas eróticas". "Trata-se de um romance erótico, onde o nu artístico é o destaque", diziam os produtores.

Tudo o que sabemos sobre:
demissãochefeacusaçãoator pornô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.