Ricardo Schumann afirma que recebeu ordem de Jorge Mattoso

A Polícia Federal informou que é Ricardo Schumann o nome do consultor da Caixa Econômica Federal (CEF) que revelou ter sido o presidente da CEF, Jorge Mattoso, o autor da ordem para que violasse o sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, que afirma ter visto o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, na mansão de Brasília em que se reuniam lobistas supostamente para tratar de negócios ilícitos. A cadeia de comando da quebra ilegal do sigilo do caseiro foi revelada por Schumann agora à tarde, em depoimento à PF. Mattoso está prestando depoimento à Polícia Federal, que o interroga na tentativa de esclarecer, entre outros pontos, se agiu sozinho ou a mando de outra autoridade do governo. Schumann disse que repassou a ordem de Mattoso à gerente de Integração de Políticas de Gestão da CEF, Sueli Mascarenhas. Esta, por sua vez, retransmitiu a ordem ao funcionário da Caixa Jeter Ribeiro de Souza, que prestou depoimento à PF ontem. Jeter revelou ter recebido de Sueli Mascarenhas a incumbência de acessar os dados da conta. Schumann disse também que, de posse das informações do extrato bancário do caseiro, as transmitiu a Mattoso. O consultor disse não saber para quem o presidente da Caixa entregou os dados, que apareceram publicados no início da noite de 17 de março (sexta-feira) no site da revista "Época" na internet e também na edição impressa da revista que circulou no domingo seguinte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.