Adriano Machado/ Reuters
Adriano Machado/ Reuters

Ricardo Salles é expulso do partido Novo e diz que prefere Bolsonaro a Amoêdo

Ministro do Meio Ambiente alega que expulsão ocorreu por ter assumido cargo no governo federal sem comunicar o partido

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2020 | 12h23
Atualizado 07 de maio de 2020 | 18h04

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi expulso do partido Novo por decisão da Comissão de Ética Partidária da sigla. Salles protestou no Twitter na manhã desta quinta-feira, 7, e disse que entre Jair Bolsonaro e João Amoêdo, um dos fundadores do Novo, prefere ficar com o presidente. Nas redes sociais, o partido afirmou que o processo corre em sigilo e que cabe recurso.

“Fui comunicado da minha EXPULSÃO por ter assumido 'sem qualquer informação prévia ou pedido de autorização ao Partido NOVO, o cargo de Ministro de Estado do Meio Ambiente no governo do atual Presidente Sr. Jair Messias Bolsonaro'. Entre Amoedo e Bolsonaro, fico com Bolsonaro !”, escreveu Salles.

Salles alega que sua expulsão ocorreu por ter assumido o cargo de ministro sem comunicar previamente o partido. Nas redes sociais, o Novo confirmou a expulsão, mas não explicou os motivos. Declarou que o processo corre em sigilo, que ainda cabe recurso e que a comissão que analisou o processo é um órgão independente, composto por filiados que não são membros do diretório nacional.

O ministro cita o ex-presidente e um dos fundadores do Novo, João Amoêdo, que concorreu à presidência da República pela sigla em 2018. Em outubro do ano passado, Amoêdo afirmou ao Estado que Salles permaneceria no partido se assim desejasse. “O que a gente pode exigir dos filiados é que eles sejam ficha limpa e que paguem a contribuição, que são R$ 30 por mês. Mas a nossa ingerência sobre a atuação dos filiados é limitada, temos 48 mil membros”, declarou à época.

Salles estava suspenso do Novo desde outubro, por decisão da Comissão de Ética da legenda. À época, em nota, o partido citou um dispositivo de seu estatuto que prevê suspensão em caráter temporário quando há "risco de dano grave e de difícil reparação à imagem e reputação do Novo". A decisão foi tomada dentro de um processo solicitado pelo deputado estadual Chicão Bulhões (RJ).

Salles já não participava de atividades partidárias e não tinha cargo na legenda. O ministro vinha sendo alvo de críticas pela sua atuação diante da crise do desmatamento e das ações de monitoramento e retirada do óleo encontrado nas praias do Nordeste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.