Ribeirão Preto confirma mortes por meningite meningocócica

A Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde, de Ribeirão Preto, confirmou que três pessoas morreram, desde a semana passada, de meningite meningocócica. Duas delas, porém, crianças, são de outras cidades da região (Cravinhos e Sertãozinho), mas morreram em hospitais de Ribeirão. "Não consideramos um surto epidêmico, não é para alarmar, pois o comportamento, por enquanto, está dentro da normalidade", disse a médica da Vigilância Epidemiológica, Cláudia Dizioli Franco Bueno.A primeira morte, na semana passada, foi de um homem de 22 anos, de Ribeirão Preto. Ele morreu no Hospital das Clínicas. As outras duas vítimas, duas crianças, faleceram ontem: um menino, de pouco mais de um ano, de Cravinhos, morreu no Hospital São Lucas, enquanto uma menina de dez meses, de Sertãozinho, morreu no Hospital Santa Lydia, um dia após ser internada. Segundo Cláudia, a época de seca propicia o surgimento da meningite, que é transmitida, de pessoa a pessoa, por vias respiratórias.Neste ano, nove casos de meningite foram registrados em Ribeirão Preto, sendo apenas um com morte (os casos das crianças, de fora, não entram na estatística). Em 2001, sete casos foram registrados, mas nenhum óbito. Em 2003, outros oito casos, também sem mortes. Os principais sintomas da meningite meningocócica (que tem três tipos) são febre, mal-estar, dor de cabeça, vômito, manchas avermelhadas pelo corpo (?petecas?) e rigidez da nuca.

Agencia Estado,

24 de julho de 2003 | 16h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.