'Revolução da saúde' depende de recursos novos, diz Lula

Presidente volta a criticar a extinção da CPMF durante cerimônia em SP; CSS será votada na Câmara nesta terça

Carolina Ruhman, da Agência Estado,

10 de junho de 2008 | 11h45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou nesta terça-feira, 10, que o governo terá de encontrar outras fontes de recursos para fazer "a revolução na saúde", se referindo ao fim da CPMF, no final de 2007. "Vamos ter que encontrar outro dinheiro para fazer o PAC da Saúde", disse Lula ao participar da cerimônia de entrega da medalha do Mérito Oswaldo Cruz ao presidente do Conselho de Administração do Grupo Votorantim, Antonio Ermírio de Moraes, e ao médico cardiologista e pesquisador Roberto Kalil Filho, no teatro da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).  Veja também:Quanto pesa no bolso a CSSFÓRUM: Dê sua opinião sobre a CSS  ENQUETE: Você acredita que a CSS vai passar na Câmara?  Entenda o que é a CSS, a nova CPMF Entenda a Emenda 29    O presidente voltou a criticar o fato de a extinção da CPMF não ter sido acompanhada de redução de preços. "Não vi um único produto que reduziu 0,38% no custo para o consumidor." Lula chamou a atenção para a defesa que o médico Adib Jatene, presente no evento, fez em defesa da manutenção da contribuição no Congresso, no final do ano passado. "Lamentavelmente o discurso do Jatene não mexeu nos neurônios da sensibilidade de alguns senadores", alfinetou. O projeto que destina mais recursos para a saúde - a Emenda 29 e a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS) - começa a ser analisado nesta terça, no plenário da Câmara dos Deputados. Serão cinco sessões - uma ordinária e quatro extraordinárias.  Durante a cerimônia, Lula afirmou que "um cidadão normal não vence na vida. Todas as pessoas que se sobressaem têm uma anormalidade", trabalham demais. O presidente se dirigiu ao médico Kalil Filho e contou: "Não estava presente no nascimento dos meus filhos". De acordo com o presidente, a medalha concedida é "uma forma de semear exemplos". "Uma nação, ela é construída de exemplos, ela não é construída de discursos", ressaltou. Ao evento, além de Lula, compareceram os ministros da Saúde, José Gomes Temporão, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB) e o prefeito da capital, Gilberto Kassab (DEM). O empresário homenageado, Antonio Ermírio de Moraes, foi representado por seu filho, Rubens Ermírio de Moraes.  (com Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
LulaCSS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.