Revista usa tática ´gambá´, diz Genoíno

O deputado José Genoínocitricou nesta sexta-feira em Ribeirão Preto as denúncias divulgadas pela revista IstoÉ que circula neste fim de semana - e já divulgadana Internet - que envolvem o nome do líder do PT no Senado, José Eduardo Dutra (SE), na violação do painel de votação eletrônica doSenado.Para Genoíno, a reportagem foi "plantada" pelos opositores do partido. "Isso é uma atitude de desespero diante docrescimento que o PT vem registrando junto à opinião pública. É a chamada tática ´gambá´: espalha mau cheiro para todos oslados para ver se pega", comentou Genoíno, que está em Ribeirão para participar de ato em prol da candidatura de Luiz Inácio Lula daSilva à presidência da República.Lula não quis se pronunciar sobre as denúncias feitas pela revista. Ele defendeu, no entanto, a abertura de uma CPI parainvestigar as "inúmeras denúncias feitas contra o presidente do Senado, Jader Barbalho"."É incompreensível como este senhorcontinua presidindo o Senado com tantas denúncias nas costas. É preciso que ele as responda", disse Lula, sem entrar emdetalhes se já estava se referindo a outra reportagem que também é publicada nesta edição da revista IstoÉ , sobre oenvolvimento do senador Jader Barbalho com a venda de Títulos da Dívida Agrária (TDAs) emitidos de forma fraudulenta.Segundo o deputado José Genoíno, esta mesma denúncia já havia sido apresentada por ele mesmo ao Tribunal de Contas daUnião, quando Jader Barbalho era ministro da Reforma Agrária. "Houve uma auditoria para apurar as denúncias, e ele foi considerado culpado da utilização indevida das TDAs, porque ficou concluído que houve supervalorização deste títulos", explicou.Genoíno afirmou que o presidente do Senado deve "sofrer as penas cabíveis para este tipo de crime"."Ele não reúne as mínimascondições para exercer um cargo que leva consigo uma liturgia de honra e seriedade", disse Genoíno.O deputado também defendeu que seja aberta investigação para apurar as denúncias contra o senador José Eduardo Dutra."Não é porque ele seja do partido que isso não seria por nós defendido. O próprio senador já está encaminhando à comissão de ética do Senado um pedido formal para que a reportagem da revista seja apreciada e, depois de avaliadas as fontes que originaramas denúncias, se são confiáveis ou não, que seja investigado a fundo o caso. Acho que o PT acaba ganhando com isso, pois sai mais limpo do que entrou", comentou o advogado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.