Revista denuncia Dirceu por irregularidades com cartão

A 'Época' diz que teve acesso ao relatório que mostra locação de veículos blindados pelo ex-ministro; ele nega

EQUIPE AE, Agencia Estado

08 de fevereiro de 2008 | 09h40

De acordo com reportagem publicada no site da revista Época, o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu estaria envolvido em irregularidades ligadas ao uso do cartão corporativo e emissão de notas frias. A investigação está sendo feita por auditores do Tribunal de Contas da União (TCU). A Época informa que teve acesso ao relatório da auditoria e a notas fiscais emitidas entre 2002 e 2005 que referem-se à locação de veículos blindados para uso de Dirceu.   Veja também:    Entenda o que são os cartões corporativos do governo  Jucá promete apresentar 2ª novo requerimento de CPI Congresso não pode viver só de CPIs, diz Garibaldi sobre escândalo dos cartões  Governo de SP gasta R$108 mi com cartão mas não detalha despesa Enquete: o governo deve acabar com os cartões corporativos? OAB quer investigar uso de cartão corporativo nos Estados Governo quer indicar aliados em postos-chave da CPI dos cartões De acordo com a revista, os comprovantes foram emitidos pela Renaro Locação de Veículos, empresa que não tem sede no endereço informado na nota. Uma delas chega ao valor de R$ 4.362,21. Os técnicos do TCU sugeriram ao Ministério Público Federal que quebre o sigilo da empresa para averiguar o destino final do dinheiro pago pelo Planalto à empresa com o cartão corporativo.José Dirceu, em seu blog, declarou que os fatos levantados pela Época são "inverídicos". Ele negou ainda em nota que, como ministro-chefe da Casa Civil, tenha feito uso do cartão ou que tenha qualquer relação com o episódio. "Nada tenho a ver com isso. Nunca tive conhecimento do fato, até porque a Secretaria de Administração da Presidência da República é que faz todos - repito, todos - estes procedimentos administrativos", argumentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Cartões CorporativosCPI dos cartões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.