Dida Sampaio/Estadão, Ed Ferreira/Estadão, Dida Sampaio/Estadão e Ed Ferreira/Estadão
Dida Sampaio/Estadão, Ed Ferreira/Estadão, Dida Sampaio/Estadão e Ed Ferreira/Estadão

Reuniões são ligadas à área de atuação da pasta, alegam titulares

Ministros dizem atender a todas as solicitações de encontros oficiais, 'independentemente de partido ou Estado'

Fábio Brandt, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2015 | 02h03

BRASÍLIA - O ministro da Pesca, Helder Barbalho (PMDB-PA), afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o Pará, seu Estado natal, "deve ser foco da atuação de qualquer ministro da Pesca e Aquicultura porque concentra cerca de 25% dos pescadores do País e corresponde à maior produção de pesca artesanal do Brasil". O ministro disse ainda que "atende a todas as solicitações de reunião, desde que sejam para discutir assuntos ligados à pasta, independentemente do partido do político ou do Estado".

Sobre as reuniões que teve, no gabinete de Brasília, com presidentes de diretórios municipais do PMDB no interior do Pará, Helder Barbalho afirmou que foram compromissos ligados ao ministério. "O presidente do PMDB (do município) de Novo Repartimento, Deusivaldo Amizade, veio tratar da piscicultura no lago de Tucuruí, o terceiro maior parque aquícola do País", afirmou, em nota enviada pela assessoria. Com Jair Martins, presidente do PMDB na cidade de Conceição do Araguaia, Helder disse que discutiu ações voltadas à pesca artesanal no Rio Araguaia.

Foco. O ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues (PR-SP), também via assessoria de imprensa, afirmou que "contempla todas as solicitações externas de audiência, independente de partido político ou unidade da federação". Rodrigues disse que "todos os Estados da federação que possuem algum tipo de intervenção da pasta serão foco de atuação do ministro".

Coincidência. A pasta da Aviação Civil afirmou que a concentração de representantes do PMDB e do Rio Grande do Sul, partido e Estado do ministro Eliseu Padilha, "foi coincidência". Por meio da assessoria, Padilha afirmou que "recebe a todos os partidos e a todos os Estados".

Já Patrus Ananias (PT-MG), ministro do Desenvolvimento Agrário, disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que "tem se esforçado para atender todos os pedidos de agenda solicitados" e que "esse esforço inclui o diálogo com parlamentares que atuam na promoção da agricultura familiar e reuniões com outros ministérios para articular e potencializar as políticas de desenvolvimento agrário". Segundo a assessoria da pasta, "a agenda do ministro é definida de acordo com as prioridades do MDA, que tem como objetivo promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, em todo o território nacional, focado em ações de democratização do acesso à terra, fomento à agricultura familiar e à inclusão produtiva".

Dinâmica. A respeito dos "despachos internos", as pastas mencionadas afirmaram que se tratam de reuniões com funcionários dos ministérios. A assessoria do ministro dos Portos, Edinho Araújo, (PMDB-SP), afirmou que "a agenda do ministro é dinâmica e sofre mudanças com frequência" e que suas atividades, apesar de não constarem da agenda oficial divulgada, podem ser conhecidas na seção de notícias do site e no Flickr (galeria de fotos online) da Secretaria de Portos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.