Reunião discutirá proposta de elevação do teto, diz relator

O relator da reforma da Previdência, José Pimentel (PT-CE), disse, ao chegar à residência do presidente da Câmara, João Paulo Cunha, que discutirá com os líderes da base aliada a proposta dos servidores públicos e da CUT de aumentar o teto da aposentadoria de R$ 2,4 mil para R$ 2,7 mil. Este teto passará a vigorar após a aprovação da reforma da Previdência para os trabalhadores da iniciativa privada que integram o Regime Geral da Previdência Social e também os futuros servidores públicos. Pimentel negou que o aumento da receita decorrente de um eventual aumento do teto da aposentadoria esteja sendo previsto para amenizar o impacto da despesa com a aposentadoria integral para os atuais servidores. Como os trabalhadores passarão a pagar uma maior contribuição, haverá um aumento de arrecadação, já que hoje o trabalhador paga 11% sobre um teto de cerca de R$ 1,6 mil. Pimentel não quis prever se o teto mais alto teria chances de ser apoiado pela base aliada, mas ressalvou que a decisão vai depender da base. "Até o momento, não recebi nenhuma orientação da base aliada para fazer cálculos nesse sentido e vamos tratar disso no café da manhã, porque, logo depois, voltaremos a conversar com os sindicalistas."

Agencia Estado,

16 de julho de 2003 | 09h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.