Reunião de Waldomiro não indica irregularidade, diz Genoino

O presidente nacional do PT, José Genoino, disse à Agência Estado que a nova reportagem da revista Época, que começou a circular hoje, informando que o ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Presidência da República Waldomiro Diniz manteve com o empresário acusado de contravenção João Cachoeira encontro em 2003, quando já trabalhava no governo Lula, não indica "nenhuma irregularidade". "Não existe irregularidade e nem suspeitas na nova reportagem. O fato de Waldomiro encontrar-se com representantes da Gtec e com Carlinhos Cachoeira não significa que tenha feito algo de irregular", justificou.Genoino sustentou que, como o governo está dando todo o suporte e incentivando as investigações do episódio pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal, "o conteúdo dos encontros estará nos inquéritos".A opinião do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) de que os encontros de Waldomiro Diniz com Carlinhos Cachoeira em 2003 "mudam a situação" do episódio desagradaram Genoino. "Com todo respeito que tenho pelo senador Suplicy, discordo que tenha alguma denúncia de irregularidade desse encontro", disse. "O senador Suplicy deveria esperar os resultados das investigações para verificar se serão suficientes ou não". Genoino argumentou que uma vez que os sigilos bancário e telefônico de Waldomiro serão quebrados, as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal serão suficientes para o esclarecimento dos fatos e punição dos culpados. O presidente do PT defendeu o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, e pregou sua permanência no cargo. "O ministro Dirceu não tem nada a ver com essa história. O que há é uma luta para transformar um fato criminoso, que passa por investigação por estímulo do governo, em algo para atingir politicamente o ministro José Dirceu", avaliou. Segundo dele, o ministro não precisa afastar-se do cargo durante as investigações do Caso Waldomiro para preservar sua imagem pública. "O ministro Dirceu é experimentado para sofrer essa refrega na política", avaliou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.