Reunião com centrais não deve fechar mínimo, diz Dulci

O secretário-geral da Presidência da República, Luiz Dulci, afirmou que não há expectativa de fechar um valor para o salário mínimo, para 2007, durante a reunião nesta quinta-feira entre o governo e centrais sindicais, no Ministério do Trabalho. As centrais querem a elevação do mínimo para R$ 420. Segundo Dulci, o encontro será apenas o início de um processo de diálogo. "O governo vai primeiro ouvir as centrais sindicais. Eu vim participar de um processo de negociação", disse o ministro. Ele não quis estimar um prazo para a conclusão das negociações, mas lembrou que no ano passado as discussões levaram de dois a 3 meses. Dulci disse ainda que o governo não tem um valor fechado para propor aos sindicalistas. A proposta orçamentária de 2007, enviada ao Congresso, prevê um reajuste do salário mínimo de R$ 350 para R$ 375. Mas o ministro da Fazenda, Guido Mantega, pediu ao relator, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), que reduza o valor para R$ 367. Dulci disse que as reuniões com os sindicalistas servirão para discutir ainda uma política permanente de recuperação do salário mínimo com os reajustes para os próximos anos. Ele também afirmou que no ano passado o governo assumiu o compromisso de reajustar este ano a tabela do imposto de renda da pessoa física, mas negou que o porcentual de 7,7% defendido pelos sindicalistas tenha sido definido na reunião do ano passado. O governo já fechou um acordo com o Congresso para que a correção da tabela seja de 3% em 2007 e mais 3% em 2008.

Agencia Estado,

07 Dezembro 2006 | 14h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.