Réu na Lava Jato, Cunha assume órgão que reúne países de língua portuguesa

Deputado vai se tornar presidente da Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (AP-CPLP); ele deve permanecer no cargo até o início de 2017

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2016 | 09h13

BRASÍLIA - Alvo de processo no Conselho de Ética da Câmara que pode levar à cassação de seu mandato e réu na Operação Lava Jato, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), assumirá nesta quinta-feira, 7, a presidência da Assembleia Parlamentar da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (AP-CPLP).

Cunha sucederá o presidente da Assembleia Nacional de Angola, Fernando Piedade Dias dos Santos. O peemedebista assumirá o posto, pois, pelo sistema de rodízio, caberia ao Brasil ocupar o cargo nos próximos dois anos. Como seu mandato de presidente da Câmara acaba neste ano, ele deverá ficar na presidência da AP-CPLP apenas até o início de 2017.

A posse de Cunha acontecerá no fim da reunião da assembleia, que começou durante sessão solene na quarta-feira, 6, na Câmara dos Deputados, em Brasília. Caberá ao peemedebista apresentar o resultado da assembleia durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Criada em 2009, a Assembleia Parlamentar da CPLP está em fase de estruturação institucional. Entre suas atividades, estão o fortalecimento das comissões de trabalho e da Rede de Mulheres, a articulação de missões de observação eleitoral no

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.