Retratação de Buratti não repara prejuízos, diz Palocci

O deputado Antonio Palocci (PT-SP) confidenciou a amigos que a retratação de Rogério Buratti talvez não seja suficiente para reparar prejuízos que alega ter sofrido em 2005, quando foi acusado de envolvimento com a máfia do lixo em Ribeirão Preto (SP). ?O prejuízo foi enorme?, disse ontem a um assessor. ?Não sei se há algo que possa reparar o dano, mas espero que isso ajude a esclarecer o caso.?Palocci garantiu a um auxiliar que não tem mais amizade com Buratti. ?Aquilo (as denúncias de Buratti) foi muito ruim, realmente ficou muito ruim aquela situação. Desde aquela época não falei mais com Buratti. Nem por telefone. Criou-se um atrito entre nós.?O ex-ministro tem revelado a seus advogados inconformismo com o momento que atravessa. Mas alimenta expectativa de que as acusações no Supremo Tribunal Federal (STF) sejam rechaçadas. Ele não tem concedido entrevistas. Quarta-feira, no Itamaraty, limitou-se a afirmar que soube da retratação de Buratti pela imprensa.Em 2005, Buratti denunciou mensalão de R$ 50 mil que teria sido pago pela empreiteira Leão & Leão ao petista na época em que comandou a Prefeitura de Ribeirão pela segunda vez, entre 2000 e 2002. Com base nisso, a promotoria fez a denúncia, atribuindo ao ex-prefeito autorização de aditamentos irregulares ao contrato de coleta de lixo, e incluiu o empresário no rol de testemunhas. Em junho, porém, Buratti retratou-se em declaração registrada em cartório.O inquérito da máfia do lixo em Ribeirão Preto permanece estagnado no Supremo Tribunal Federal (STF). Aberto em novembro de 2006 contra o deputado Antonio Palocci e outras nove pessoas, está até agora sem relator. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.