ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Resultado do STF reafirmou que todos são iguais perante a lei, diz Marina

Corte negou habeas corpus ao ex-presidente Lula, que poderá ser preso, já que sua condenação em segunda instância tramitou em julgado

Marianna Holanda, O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 11h25

Ex-senadora petista e ex-ministra do Meio Ambiente de Luiz Inácio Lula da Silva, a presidenciável da Rede, Marina Silva, afirmou nesta quinta-feira, 5, que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de negar habeas corpus a Lula, reafirmou que todos são iguais perante a lei.

++ Chance de Lula ser preso esta semana é zero, diz fonte

++ 'Nos fingimos de espertos e criamos um grave problema', diz Gilmar sobre decisão do Supremo

Lula foi condenado a 12 anos e um mês na segunda instância, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, e entrou com um hc para impedir sua prisão. Na madrugada desta quinta, o plenário do STF decidiu, por 6 votos a 5, negar o pedido de defesa do ex-presidente.

“O resultado do julgamento reiterou o preceito constitucional da igualdade de todos perante a lei. Para seguirmos adiante, é imperativo conjugar a aplicação das penas em segunda instância e o fim do foro privilegiado, que tem servido como refúgio para que não haja punição dos investigados em graves crimes de corrupção”, disse a pré-candidata nas redes sociais.

Marina já tinha defendido publicamente, em outros momentos, a manutenção do entendimento de prisão após segunda instância. Ministros já se manifestaram a favor de reanalisar o tema, debatido em plenário em 2016, e os advogados de Lula insistem que a determinação é inconstitucional. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.