'Ressentida' com Renan, oposição ameaça não votar CPMF

'Só será aprovada se houver amplo desejo de repactuação política entre o governo e oposição', diz Tião Viana

Eugênia Lopes, do Estadão

13 de setembro de 2007 | 13h12

O vice-presidente do Senado, Tião Viana (PT-AC) afirmou nesta quinta-feira, 13, que com a absolvição do presidente da Casa, Renan Calheiros, foi criado "um ambiente de ressentimento profundo na oposição". Em sua avaliação, isso tem reflexo direto na aprovação da emenda constitucional que prorroga a CPMF.  Veja também: Veja evolução da CPMF Câmara aprovará CPMF até fim de setembro, diz Chinaglia Câmara recebe 1 milhão de assinaturas contra a CPMF Tudo sobre o julgamento de Renan  "A CPMF não será aprovada no Senado, se não houver um amplo desejo de repactuação política entre o governo e oposição", disse.  Nesta quinta, a base aliada e o governo se reuniram no Ministério da Fazenda para discutir a CPMF. Estavam presentes o ministro Guido Mantega, lideranças da Câmara e do Senado e o relator da PEC da CPMF na comissão especial da Câmara, deputado Antonio Palocci.  Ao sair da reunião, a  senadora Ideli Salvatti (PT-SC) disse que a posição da liderança do governo no Senado é de não promover alterações na proposta de emenda constitucional(PEC) da CPMF, nem na Câmara e nem no Senado, e trabalhar com novas desonerações em outros tributos, como a contribuição previdenciária que incide sobre a folha de pagamentos.   "O melhor é não fazer alterações na CPMF, porque se tiver alteração na Câmara, a pressão no Senado será ainda maior", disse. Segundo a senadora, a dificuldade de votação da CPMF no Senado será igual tanto se a alíquota for de 0,38% quanto de 0,30%. Ela disse que o governo vai trabalhar no Senado, onde a oposição tem mais força, para tentar aprovar o texto com a alíquota de 0,38%, e realizar outras desonerações tributárias.

Tudo o que sabemos sobre:
CPMFCaso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.