Responsabilidade pelo programa é do DEM, diz Serra

O pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, protagonista do programa do DEM exibido ontem em cadeia de rádio e televisão, passou a responsabilidade por eventual transgressão à Justiça Eleitoral para o próprio DEM.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

28 Maio 2010 | 11h02

"Não gravei diretamente para o programa", afirmou ele na manhã de hoje em rápida entrevista, por telefone, a Geraldo Freire, da Rádio Jornal, de Recife. "Passaram trechos do discurso que fiz no dia 10 de abril (quando foi lançado pré-candidato)", disse Serra. "Pegaram trechos e puseram no programa deles".

"Vamos analisar. Se a Justiça achar algo errado, a gente vê o que faz. Mas a responsabilidade no caso é do próprio partido que fez o programa, porque minha imagem foi utilizada, acho isso perfeitamente normal", observou, ao informar que não viu o programa. Ele estava viajando. "Vamos ver como é avaliado."

Bolívia

Na entrevista, concedida por volta das 9 horas, de São Paulo, o ex-governador reiterou que o governo da Bolívia "está fazendo corpo mole" diante da quantidade de cocaína exportada ilegalmente para o Brasil. "É impossível que o governo boliviano não saiba." Segundo ele, "tem declaração de policiais federais nossos, tem gente de lá (Bolívia) dizendo a mesma coisa", sobre o aumento da produção da planta e da fabricação de cocaína na Bolívia.

"Não iria sair tanta cocaína se o governo (boliviano) fizesse alguma coisa", complementou. "Se o governo não faz, a cocaína vem para cá." Serra defende que o combate à droga tem de ser enfrentado dos dois lados. "Não creio que a gente deva mandar polícia, tropa entrar na Bolívia. Não se trata de violar a soberania de nenhum país. Mas trata-se de exigir que esse país também combata a exportação para o outro."

O pré-candidato estará no Recife, na tarde de hoje, para o lançamento oficial da pré-candidatura do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB) ao governo de Pernambuco.

Mais conteúdo sobre:
eleição Serra programa responsabilidade DEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.