Responsabilidade Fiscal depende de juros, diz Maluf

O candidato do PP à prefeitura paulistana, Paulo Maluf (PP), prometeu neste domingo que, se eleito, cumprirá a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Mas ressalvou que o ajuste para isso só será possível se a taxa básica de juros cair.Maluf alfinetou o candidato José Serra (PSDB). "Foi Serra, quando era ministro do Planejamento, que praticou essa política de juros pornográficos, aumentando todas as dívidas: dos municípios, dos Estados e da União. Só banqueiros ganham com isso", afirmou.Sobre o suposto financiamento de bancos à campanha dele, o candidato do PP negou. "A minha campanha é a mais pobre de todas", afirmou, durante visita ao varejão da Central Estadual de Abastecimento SA (Ceasa), em companhia de assessores e do candidato a vereador Agnaldo Timóteo (PP).O ataque a Serra, ministro do Planejamento entre 1995 e1996, durante o primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso, estendeu-se à atual gestão. "O problema que o Serra deixou tem de ser equacionado pelo ministro Palocci, que terá de renegar a política de juros altos; caso contrário, ninguém agüentará pagar a dívida", considerou, referindo-se ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci.De acordo com Maluf, o débito municipal, de R$ 26,1 bilhões (contabilizado até abril), pode ser julgado pequeno ante aos do Estado e da União, "que chega à casa dos trilhões".Ele não atacou a prefeita Marta Suplicy (PT), candidata à reeleição. Maluf falou com feirantes, prometendo investir entre R$ 300 mil e R$ 400 mil em cada um dos 30 novos pontos de varejo de hortifruti que pretende espalhar pela periferia, caso ganhe a eleição.Os feirantes saudaram o candidato do PP com a música "Segura na mão de Deus e vai", durante a visita às bancas. Na última delas, Maluf comeu um sanduíche de filé de frango na chapa, feito na hora, e pagou 1 real. Após os 30 minutos de visita, o candidato seguiu para o escritório de campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.