Resoluções do PT apóiam proposta do governo, diz Genoino

Duas resoluções do diretório nacional do PT dão respaldo à proposta de reforma da previdência do governo, inclusive sobre a taxação previdenciária dos funcionários públicos inativos, disse hoje o presidente do partido, José Genoino. O deputado mostrou a resolução dos dias 15 e 16 de março deste ano, na qual o PT afirma que a meta é conseguir um sistema previdenciário universal, público e compulsório para todos os brasileiros. Ele ressaltou o texto da resolução que afirma: "os aposentados e pensionistas do sistema básico devem ser isentos de qualquer contribuição". Segundo o presidente do PT, isso mostra que a cobrança previdenciária dos inativos pode ser feita respeitando o sistema básico da previdência, ou seja, o teto dos benefícios do INSS. Para Genoino, mesmo que o valor seja diferente do previsto na proposta fechada com os governadores, de R$ 1.058, está garantido que o partido apóia a taxação dos inativos. Genoino mostrou ainda a resolução do diretório nacional de 20 e 21 de janeiro de 1996, na qual o partido defende um regime básico universal com o piso de benefício de um salário mínimo e o teto de dez salários mínimos, o equivalente hoje a R$ 2.400, além de uma previdência complementar para os benefícios acima de 10 salários mínimos. "O presidente Lula está cumprindo fielmente as resoluções do PT. Ninguém pode argumentar que o partido não tratou dessa questão. Vem tratando desde 1996 com posições claras", disse Genoino. O presidente do PT vai usar as resoluções para tentar diminuir as resistências contra a proposta na bancada do partido. Veja o índice de notícias sobre as reformas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.