Resistências às reformas são motivadas por eleições, diz Aécio

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), sugeriu hoje que as resistências entre algumas lideranças do PT e da base aliada à aprovação das reformas no Congresso é motivada por interesses eleitorais. Aécio voltou a cobrar que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua sustentação parlamentar unifiquem o discurso. Para ele, os petistas contrários às reformas precisam ter "uma visão mais do futuro" e menos corporativa."No momento em que essas propostas forem encaminhadas ao Congresso, é preciso que as lideranças do PT tenham uma visão menos direcionada para sua eventual base ou para uma eleição do ano que vem, e mais voltada para o Brasil. É isso que espera delas todos os brasileiros", disse o governador mineiro, após participar da solenidade de inauguração de uma unidade industrial da Camargo Corrêa Cimentos, em Ijací, no Sul do Estado.Aécio salientou que a condução da base governista pelo Planalto é fundamental para que os partidos que perderam as eleições possam votar a favor das reformas. "Não é possível cobrar daqueles que são oposição, mas que estão dispostos a aprovar as reformas, uma unidade maior do que a do próprio partido do governo". "Reformas estruturantes como essas que nós estamos discutindo não se faz sem desagradar determinados setores. O que nós temos é estar convencidos da correção, da justiça social e, sobretudo, dos efeitos dessas reformas para irmos em frente", concluiu Aécio.Veja o índice de notícias sobre as reformas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.