Sebastião Moreira/ EFE
Sebastião Moreira/ EFE

Resistência à hegemonia do PT fragmenta oposição

Divisão que se aprofundou depois da eleição presidencial do ano passado emperra formação de bloco único na Câmara para avaliar projetos do governo Bolsonaro

Ricardo Galhardo e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2019 | 05h00

Líderes de partidos de oposição a Jair Bolsonaro estimam ter entre 160 e 180 cadeiras na Câmara. O número seria suficiente para, no limite máximo, barrar a aprovação de emendas à Constituição e inviabilizar reformas. No mínimo, já poderia complicar a vida do governo – que ainda enfrenta dificuldades para montar uma base sólida de apoio na Casa. Isso seria verdade se a oposição estivesse unida, algo que não ocorreu até agora. 

Disputas pela hegemonia no campo da esquerda – que nos últimos anos esteve sempre nas mãos do PT–, por espaços e postos no Parlamento e diferenças regionais ou de concepção estratégica estão por trás da falta de coesão das esquerdas. Outra forte razão é a perspectiva de candidaturas opostas nas eleições de 2022.

A divisão repete o segundo turno da campanha presidencial do ano passado, quando Guilherme Boulos (PSOL) e Marina Silva (Rede) apoiaram Fernando Haddad (PT), enquanto Ciro Gomes (PDT) resistiu a compor uma frente para enfrentar Bolsonaro. Seu partido acabou oferecendo “apoio crítico” ao candidato petista. A distância se aprofundou durante a disputa pelos cargos da mesa diretora da Câmara. Neste caso, os parlamentares se dividiram quanto ao apoio à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

“Existe uma diferença de tática sobre como enfrentar Bolsonaro, isso é inegável. No caso de Ciro e do PCdoB, isso se expressou no apoio ao Maia”, disse o presidente do PSOL, Juliano Medeiros. Ele vai insistir na proposta de um fórum de presidentes dos partidos, apresentada no início de 2018 e logo abandonada por falta de adesões.

Divisões. Os partidos se dividem em dois grupos. De um lado, o bloco liderado por PCdoB e PDT, que afirmam defender uma oposição “responsável” ao governo Bolsonaro, de olho nos votos que essa estratégia pode trazer entre eleitores de centro-esquerda. Eles integram um bloco na Câmara com outros seis partidos que totaliza 83 votos, mas admitem que alguns deles devem compor a base do governo.

De outro lado, estão PT, PSB, PSOL e Rede, com 97 cadeiras, que defendem uma oposição sistemática a Bolsonaro. Eles dizem contar ainda com parlamentares desgarrados de siglas como MDB, PSDB, Solidariedade, PPS, PV, PROS, PP e Podemos, que se dizem insatisfeitos com o governo federal. 

A divisão afeta até as mobilizações de rua. Diante da dificuldade para ampliar as adesões para além do campo da esquerda, as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, que reúnem partidos e movimentos de esquerda, desistiram da ideia de criar uma aliança em defesa de bandeiras da democracia que, na avaliação dos dois grupos, estariam sob ameaça com o novo governo. “Não há disposição política para uma frente permanente”, disse Raimundo Bonfim, da Frente Brasil Popular. 

Bonfim confirma que os motivos para o distanciamento são a opção de Ciro e do PDT por buscarem setores do eleitorado de centro, o incômodo causado pelo hegemonismo do PT e o afastamento do PCdoB em relação ao PT. 

As frentes também não contam com a participação de entidades ligadas ao PCdoB na jornada de manifestações contra a reforma da Previdência, programada para este mês. A União Nacional dos Estudantes (UNE), historicamente ligada à sigla, não compareceu a três reuniões da Frente Brasil Popular.

Filiada ao PCdoB, a presidente da UNE, Marianna Dias, disse que a entidade não participou das reuniões por motivos “operacionais”: a organização da Bienal de Cultura da entidade, que foi realizada em Salvador.

Lula. Segundo os políticos, a oposição deve se unir apenas em torno de temas pontuais, como a reforma da Previdência, mas não vai formar um bloco homogêneo. “Vamos nos rearticular em torno da Previdência. Já estamos mantendo conversas bilaterais”, disse o deputado José Guimarães (PT-CE). O presidente do PDT, Carlos Lupi, vai na mesma linha. “Temos divisões de comportamento, mas não de visão estratégica.”

Já o PSB, com seus 32 deputados e três governadores, vai defender a unidade na luta contra a reforma da Previdência, mas deve manter distância do “Lula Livre”. “A proposta (da reforma) é tão ruim que não tem como ter divisão”, disse o presidente da sigla, Carlos Siqueira. “Achamos lamentável o ex-presidente estar preso, mas o ‘Lula Livre’ é uma campanha mais específica do PT”, disse ele.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), líder da minoria na Câmara, minimiza o racha e elenca uma série de ações conjuntas marcadas para os próximos meses, como uma greve geral em 1.º de maio. “O ‘Lula Livre’ é uma bandeira central da democracia. O que o Ciro acha disso não importa. Estamos todos juntos na oposição ao Bolsonaro.” 

Disputa por direção petista opõe Gleisi a governadores

Não bastassem as dificuldades para negociar um acordo com os demais partidos de oposição, o PT – que elegeu a maior bancada da Câmara e teve 47 milhões de votos no segundo turno da eleição presidencial – ainda precisa resolver suas próprias diferenças internas. 

A disputa pela presidência do partido já começou. A atual presidente, Gleisi Hoffmann, deve tentar a reeleição. A deputada federal conta com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba, e de grupos organizados como o Movimento dos Sem Terra (MST), mas enfrenta resistências dentro de sua própria corrente, a Construindo um Novo Brasil (CNB). 

Um grupo de governadores ligados à corrente defende um nome do Nordeste para presidir o PT. Os nomes colocados na mesa são os do senador Humberto Costa (PE) e do deputado José Guimarães (CE).

No ano passado, a ala da CNB contrária à Gleisi tentou emplacar o candidato derrotado à Presidência, Fernando Haddad, como sucessor da deputada, mas Lula vetou a articulação.

As diversas alas do PT não conseguem chegar a um acordo nem mesmo sobre o calendário para escolha das novas direções. A única certeza é que um plebiscito interno será realizado para decidir se o partido mantém o modelo de eleições diretas ou se volta a adotar o sistema de escolha de delegados. 

Além disso, o PT tenta apaziguar a relação entre Gleisi e Haddad, hoje a maior figura do partido depois de Lula. A relação, que nunca foi boa, azedou de vez depois da tentativa frustrada de emplacar Haddad como presidente do PT. 

Na última reunião da executiva nacional do partido, no dia 9 de fevereiro, os dois bateram boca por causa da viagem de Gleisi a Caracas para a posse de Nicolás Maduro. 

No dia seguinte, Gleisi anunciou que Haddad seria o coordenador dos Núcleos de Acompanhamento de Políticas Públicas do PT, mas o ex-prefeito recusou a tarefa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.