Requião envia ao MP representação contra Paulo Bernardo

Governador do PR pediu a abertura de uma investigação sobre proposta apresentada pelo ministro

estadão.com.br

31 de março de 2010 | 09h45

O governador do Paraná, Roberto Requião, encaminhou ao Ministério Público Federal nesta terça-feira, 30, uma representação para que seja aberta investigação da proposta de construção superfaturada de um ramal ferroviário feita ao Governo do Paraná pelo ministro do Planejamento Paulo Bernardo e pelo então assessor da Casa Civil do Governo Federal, Bernardo Figueiredo.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifNo Paraná, Richa renuncia na terça e Requião, na quinta

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPaulo Bernardo entra com ação contra Requião

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPT deixa governo do PR após acusação de Requião a Bernardo

 

Segundo a Agência Estadual de Notícias, em 2007, Bernardo e Figueiredo foram à residência do governador, em Pinhais, para apresentar o projeto de construção do trecho ferroviário Guarapuava-Ipiranga, de 110 quilômetros, por R$ 540 milhões. Segundo Requião, o mesmo projeto poderia ser feito com custo entre R$ 150 e R$ 220 milhões, conforme divulgação no próprio site do Ministério do Planejamento. A proposta, diz o texto, era "lesiva aos cofres públicos e à economia popular".

 

O projeto apresentado ao governador incluía uma parceria público-privada, com participação da América Latina Logística (ALL), uma empreiteira e o Governo Federal. Segundo a representação encaminhada pelo governador, a "ALL deixaria de pagar ao Tesouro Nacional o valor do arrendamento previsto no contrato de concessão pelo uso da malha da RFFSA - Rede Ferroviária Federal, no valor anual estimado em R$ 52 milhões".

 

Outro ponto contestado pelo governador envolve a criação de um "pedágio", que seria cobrado por uma Sociedade de Propósito Específico (composta também pela ALL), que teria o direito de exploração.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.