Requerimento da CPI do Banestado é lido; nomes devem sair hoje

Em uma rápida sessão do Congresso, que durou apenas nove minutos, o vice-presidente do Congresso, Inocêncio Oliveira, leu o requerimento de criação da CPI Mista para investigar a evasão de divisas, especificamente para os chamados paraísos fiscais, calculada em US$ 30 bilhões, no período de 1996 a 2002, por meio das contas CC-5. Os líderes partidários das duas casas - Câmara e Senado - devem indicar ainda hoje os integrantes da CPI para que ela seja instalada. A presidência da CPI deverá ser ocupada pelo senador tucano Antero Paes de Barros (MT) e o relator deverá ser o deputado José Mentor (PT-SP). A CPI será formada por 16 deputados e 16 senadores. Eventuais repercussões preocupam, diz MercadanteO líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), afirmou hoje que a CPI Mista tem que ter responsabilidade para não prejudicar a economia do País. Segundo ele, eventuais repercussões do trabalho da CPI preocupam o governo, "porque ainda há um quadro de fragilidade cambial". Mercadante ressaltou, no entanto, que a luta contra a corrupção é permanente e está acima dos indivíduos. Ele defendeu a CPI afirmando que a comissão tem agilidade para contornar os obstáculos que as autoridades americanas colocaram para a investigação e lembrou que a CPI tem poder para quebrar sigilos e acelerar as investigações. Mercadante acrescentou que há o compromisso de todos os líderes pa ra indicar os integrantes da CPI e instalar a comissão ainda hoje e destacou que a comissão será incluída na pauta da convocação extraordinária em julho. A comissão tem prazo de 120 dias, que pode ser prorrogado por mais 120, para a conclusão dos trabalhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.