Representante de ONG pede à PF para ver Bové

A representante da ONG Justiça Global, Maria Luíza Mendonça, chegou há pouco ao edifício da Polícia Federal onde está o líder camponês José Bové e pediu aos agentes que fosse admitida junto com o jornalita Bernard Cassen na sala onde está o francês. Maria Luíza criticou a atitude da PF ao notificar Bové por suas ações contra transgênicos no Rio Grande do Sul. Ela afirmou que o gesto representa "a repressão do Estado aos movimentos sociais no Brasil". Segundo avaliou a representante da ONG, que atua na área de direitos humanos, esse comportamento confirma um padrão do governo brasileiro ede reprimir os movimentos e manifestações populares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.