Breno Pires
Breno Pires

Corpo do repórter fotográfico Dida Sampaio é sepultado em Brasília

Cerimônia tem homenagem de amigos jornalistas e parentes

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2022 | 14h22
Atualizado 01 de março de 2022 | 11h40

BRASÍLIA — Sob aplausos de parentes, amigos e colegas de profissão, o corpo do repórter fotográfico Dida Sampaio foi sepultado nesta segunda-feira, 28, no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília. A cerimônia fúnebre deu lugar à homenagem ao profissional que desde 1994 trabalhava no Estadão.

Diferentes gerações de jornalistas foram saudar o companheiro de coberturas nos palácios da capital federal e Brasil afora. Fotógrafos relembraram histórias do “menino Dida” – que, na década de 1990, já disputava com os mais velhos a melhor foto – e também profissionais mais jovens, que o viam como um exemplo.

A pedido da mulher, Ana, e dos filhos Raysa, Felipe e Gabriela, parentes e amigos se vestiram de branco para acompanhar o velório e o sepultamento. Aos 53 anos, Dida morreu no último dia 25, em decorrência de complicações de um AVC e de um aneurisma cerebral.

O jornalista do Estadão Leonencio Nossa compartilhou histórias que dividiu com o fotógrafo em duas décadas de parceria em reportagens pelo jornal. “Todos aqui temos em comum o amor e o conhecimento da fascinante trajetória de um homem que nunca deixou de ser o menino atento e focado no objetivo de contar a melhor história por meio da fotografia. Se podemos dizer que o jornalista é um intérprete de seu país, Dida interpreta com imagens um Brasil complexo como ele. Carinhoso, como ele é com todos nós. E um país tenso, em guerra. Dida também está sempre em combate, de madrugada, nas altas horas da noite, incansável”, afirmou Leonencio.

A quem só conhecia o Dida, que, por exigências das regras palacianas, tinha de usar paletó e gravata, Leonencio recordou viagens aos rincões do Brasil. “Nas aldeias, pegava sua máquina e explicava pacientemente para os indígenas como funcionava o objeto. Nunca escondeu o prazer de matar a curiosidade dos pequenos que se aproximam para ver a tela da câmera. Ele nunca deixou de ser o menino que a tudo olha com surpresa e sorri”, disse o jornalista.

Presente ao sepultamento, o ex-secretário-geral da Presidência da República Gilberto Carvalho também rendeu uma breve homenagem ao repórter fotográfico com quem conviveu na gestão do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Carvalho destacou a honestidade com que Dida sempre trabalhou, mesmo em meio à correria das coberturas presidenciais. “Dida vive”, disse o ex-secretário.

A última homenagem coube ao filho Felipe. “Meu pai é um vitorioso. E vitorioso em todos os campos”, afirmou, sob aplausos. “Dida, Dida, Dida”, repetiram os amigos, que soltaram balões brancos em homenagem ao fotógrafo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.