Renuncia o primeiro deputado sanguessuga: Coriolano Sales

O deputado Coriolano Sales (PFL-BA) foi o primeiro dos 69 deputados e três senadores acusados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Sanguessugas a renunciar ao mandato, mas outros parlamentares estão com a carta pronta para também abrir mão do cargo eletivo para fugir do processo de cassação. Sales é acusado de ter recebido R$ 162.500,00 de propina da máfia das ambulâncias em sua conta bancária .Nesta terça-feira, 15, a assessora do deputado Marcelino Fraga (PMDB-ES) chegou ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara com a renúncia numa pasta. Ao saber, no entanto, que o presidente do colegiado, Ricardo Izar (PTB-SP), só abrirá os processos na próxima semana, suspendeu a entrega do documento. Fraga é acusado pela CPI de ter, supostamente, acertado uma comissão de 10% na venda de ambulâncias com recursos do Orçamento da União. Assim como Sales, ele também é candidato à reeleição. Izar afirmou que pelo menos quatro deputados lhe informaram que renunciarão. Ele afirmou também que tem sido procurado por deputados acusados que choram afirmando que não são culpados. Segundo Izar, um deles ameaçou suicidar-se no plenário da Câmara. A renúncia extingue o processo de cassação, mas não impede que ele seja reaberto no próximo ano caso os parlamentares sejam reeleitos. Com a renúncia, no entanto, o deputado não perde os direitos políticos e poderá, por exemplo, se candidatar daqui a dois anos para prefeito ou vereador. Os deputados que se reelegerem em outubro apostam também no esvaziamento das pressões políticas pelas cassações no Congresso que tomará posse em 2007. No próximo ano, os deputados reeleitos também poderão renunciar aos mandatos para fugir do processo de cassação. O ex-deputado Pinheiro Landim renunciou duas vezes ao mandato em 2003 para fugir do julgamento na Casa. Ele foi acusado pela Polícia Federal (PF) de suposto envolvimento em venda de habeas-corpus em tribunais superiores em Brasília para quadrilha de traficante. Ele renunciou ao mandato, foi reeleito e, em seguida, renunciou novamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.