Renúncia coletiva paira sobre Anac

Um dos diretores da Agência Nacionalde Aviação Civil (Anac), Leur Lomanto, quis apresentar suademissão ao cargo nesta sexta-feira, mas foi convencido por umministro a não fazê-lo agora. O colegiado de diretores da Anacensaia uma renúncia coletiva, relataram fontes. A assessoria deimprensa da agência nega o movimento. Essas articulações aconteciam em Brasília enquanto oministro da Defesa, Nelson Jobim, recém-empossado, tinha agendacheia em São Paulo. Ele visitou o Aeroporto de Congonhas, olocal do acidente com o vôo 3054 da TAM, o Instituto MédicoLegal, onde são identificados os corpos das cerca de 200vítimas, e teve reunião com o governador paulista, José Serra. Empossado na quarta-feira, em substituição a Waldir Pires,o novo ministro prometeu avaliações sobre o setor aéreo,mergulhado em crise há dez meses, antes de anunciar decisõessobre demissões na Infraero e alternativas para a Anac. Osdiretores da agência não podem ser demitidos pelo presidente daRepública ou pelo ministro. A assessoria de imprensa da Anac descartou no final datarde que haja "um movimento de renúncia coletiva, e osdiretores sequer cogitaram essa hipótese, nem individual nemcoletivamente". A expectativa é de que Jobim discuta a situação da Anac como diretor-presidente do órgão regulador, Milton Zuanazzi, nasegunda-feira. A Anac tem sido alvo de duras críticas noCongresso e entre membros do Poder Executivo pela gestão damalha aérea no país e condições de segurança de vôo. Segundo uma alta fonte do Planalto, nem o presidente Lulanem o ministro Jobim pressionaram pela renúncia de Zuanazzi,principal alvo de ataques em meio à crise. Duas fontes ouvidas pela Reuters informaram que os cincodiretores da Anac poderiam apresentar renúncia coletiva nareunião semanal de terça-feira. Elas relataram que um foco deresistência a essa articulação seria a diretora Denise Abreu. De acordo com uma fonte da Anac e segundo uma pessoa ligadaao diretor Lomanto, ele foi convencido pelo ministro dasRelações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, a adiar adecisão de renunciar. A assessoria de imprensa do ministro nãofoi localizada para comentar a informação. No Rio de Janeiro, uma fonte com acesso aos bastidores daAnac afirmou que o clima na agência está muito ruim. "Arenúncia coletiva já foi discutida entre eles, mas publicamenteeles negam até a morte", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.