Rendimento real médio cresceu 41,9% em 9 anos

O rendimento real médio das pessoas responsáveis pelos domicílios particulares permanentes no País cresceu 41,9% entre 1991 e 2000, segundo dados do Censo Demográfico 2000, divulgado hoje pelo IBGE. De acordo com o IBGE, o rendimento médio na Região Sudeste cresceu 36,96% na mesma comparação, mantendo a renda média mais alta do País. Contudo, o maior ganho de renda no período foi apresentado pela Região Sul, onde o Censo verificou um aumento do rendimento real médio de 50,2%. Na região Nordeste o rendimento real médio das pessoas responsáveis pelo sustento de seus lares cresceu, em média, 48,84%. O menor crescimento foi verificado no Norte do País, com uma taxa de 34,81%. O Centro-Oeste apresentou um avanço de 45,33% no rendimento real médio dos arrimos de família. Os técnicos do IBGE lembram ainda que no ano passado o rendimento médio na região Sudeste foi pouco mais que o dobro daquela do Nordeste, o que é um dos indicadores da desigualdade econômica existente no País. Os dados do Censo de 2000 evidenciam uma outra desigualdade gritante no Brasil: a diferença entre o rendimento real médio das pessoas responsáveis por seus lares nas regiões urbanas e nas zonas rurais. O rendimento percebido pelos chefes de famílias na zona rural no ano passado representou apenas 38,4% da renda apurada na área urbana. Em 1991 este percentual era um pouco menor, de 34%. Apesar da defasagem entre os rendimentos dessas pessoas residentes em áreas urbana e rural ainda ter sido mantido bastante elevada em 2000, a redução em relação a 1991 refletiu o comportamento verificado em quatro das cinco regiões do País. O Censo de 2000 mostra também que houve uma redução na defasagem entre os rendimentos das mulheres e dos homens em todas as regiões, embora as mulheres ainda continuem ganhando menos. Em 1991, o rendimento médio das mulheres representava 63,1% dos rendimentos dos homens. No ano passado, o percentual subiu para 71,5%.Leia mais sobre o "Resultado do Universo" do Censo Demográfico 2000

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.