Renan vota a favor do impeachment de Dilma Rousseff

O presidente do Senado já tinha indicado a aliados que votaria pela saída da petista mas, publicamente, vinha mantendo mistério sobre sua posição

Igor Gadelha e Rachel Gamarski, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2016 | 14h15

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), votou a favor do impeachment de Dilma Rousseff (PT) nesta quarta-feira, 31. A cassação da petista foi aprovada pelos senadores por 61 votos a 20.

Renan já tinha indicado a aliados que votaria pela saída de Dilma. Mas, publicamente, vinha mantendo mistério sobre sua posição. Desde que Michel Temer assumiu interinamente a Presidência do País, Renan, que era um desafeto histórico do correligionário, passou a se aproximar dele. Nesta quarta-feira, o presidente do Senado viajará para a China com Temer para participar da reunião do G-20.

O senador Telmário Mota (PDT-RR) também votou pelo impedimento definitivo de Dilma. O voto do pedetista surpreendeu aliados de Dilma, uma vez que Telmário chegou a declarar voto contra a cassação da petista. Na terça-feira, 30, ele esteve no Palácio do Planalto conversando com ministros de Temer.

Outro que votou a favor da saída de Dilma foi o senador Fernando Collor (PTC-AL). Apesar de já ter indicado que votaria contra a petista, ele também vinha mantendo em segredo a sua decisão. Assim como Dilma, Collor também sofreu impeachment, em 1992.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.