Renan tem maioria para ser absolvido no plenário, diz Viana

O 1º vice-presidente do Senado diz que Renan tem condições de derrotar relatório que pede a sua cassação

04 Setembro 2007 | 20h31

O 1º vice-presidente do Senado, Tião Viana (PT-AC), disse nesta terça-feira, 4, que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tem condições de derrotar no Plenário da Casa o relatório que pede a sua cassação por quebra de decoro. Elaborado por dois dos três relatores que compõem a comissão de inquérito da representação do PSOL contra Renan, Renato Casagrande (PSB-ES) e Marisa Serrano (PSDB-MS), o relatório vai a votação nesta quarta-feira no Conselho de Ética. Veja também: Para funcionária de Renan, ataque de ex-marido é para atingi-la PSOL quer incluir nova denúncia no caso Schincariol Denúncias contra Renan abrem três frentes de investigação Cronologia do caso RenanEm semana decisiva, Renan pode enfrentar quarto processoNova denúncia: Renan tem de explicar propinas   "A previsão de alguns é que ele (Renan) vença em Plenário", disse Tião Viana, para quem o voto secreto é uma determinação constitucional. Tião Viana disse que se a decisão do conselho passar sem problemas pela Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJ), ainda nesta quarta, o relatório poderá ser publicado no Diário do Congresso da quinta-feira e, no mesmo dia, ser votado em Plenário. A expectativa entre os senadores, entretanto, é de que o Plenário só aprecie o caso Renan na quarta-feira da semana que vem, dia 12. Tião Viana é quem toma decisões pela Mesa no caso Renan. Defesa Mais uma vez, o presidente do Senado  fez uso da tribuna da Casa para se defender. Desta vez, de uma nova acusação: a de que participava de um esquema de arrecadação de dinheiro envolvendo ministérios comandados pelo PMDB. "Sou vítima. Vamos deixar o processo evoluir, mas como presidente da instituição não posso deixar de registrar o linchamento", afirmou. Segundo ele, todas as denúncias foram feitas sem provas. "Acusações viraram pó", disse.  Estas mentirinhas vão envenenando o ambiente e sempre encontram sócio para isso. E agora, que as mentiras ruíram? Agora, que as velhas imputações ruíram, surge mais uma. Eu optaria por desprezá-la, mas em respeito ao Senado não posso deixar de dar uma satisfação. Trata-se de mais uma mentira. Briga familiar litigiosa, que ganhou proporções na mídia", afirmou para rebater. O senador se refere a acusação feita por ex-marido de uma funcionária sua. "É tudo falso, responderei no momento adequado." Processos Renan já responde a três processos no Conselho de Ética. Ele é acusado de ter despesas pessoais pagas pelo lobista de uma empreiteira, de usar laranjas na compra de rádios e jornais em Alagoas e de ter ajudado uma cervejaria, a Schincariol, a obter favores do governo. Nesta quarta-feira, será votado no órgão parecer que pede a cassação do senador por envolvimento na primeira denúncia.   (Com Agência Senado)

Mais conteúdo sobre:
Caso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.