Renan pede ajuda de Garotinho para aprovação do mínimo

A cúpula do PMDB montou uma operação de emergência para melhorar a performance do partido na votação de hoje da medida provisória do salário mínimo. Os líderes do partido na Câmara e no Senado, deputado José Borba e o senador Renan Calheiros, estão reunidos com o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, na liderança do PCdoB e o ministro da Previdência, Amir Lando. Renan telefonou para o secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, e lhe fez um apelo para que reconsidere e insista para que os 18 deputados do PMDB fluminense, que decidiram votar contra o salário mínimo de R$ 260, revejam a posição. "O Garotinho ficou de reavaliar e não quer nada do governo federal. Quer apenas ter uma relação política respeitosa e acha que está havendo dificuldades", disse Renan. Segundo ele, um dos problemas é que a decisão de votar a MP foi repentina, já que havia um acordo para que fosse votado na próxima semana. Apesar das dificuldades, as previsões no PMDB são otimistas. Dos 78 deputados calcula-se que 50 poderão votar favoravelmente ao mínimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.