Renan manda e 'rebeldes' do PMDB são afastados da CCJ

Jarbas e Simon são considerados da ala 'radical do PMDB; aliados do presidente da Casa os substituirão

CIDA FONTES, Agencia Estado

04 de outubro de 2007 | 19h08

Os senadores Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e Pedro Simon (PMDB-RS) foram destituídos da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) por determinação do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), que orientou o líder Valdir Raupp (PMDB-RO), a tomar essa decisão. Os requerimentos retirando os dois parlamentares da CCJ foram lidos nesta quinta-feira, 4, minutos antes do encerramento da sessão plenária do Senado.   No lugar dos senadores- considerados radicais do PMDB- irão ocupar as vagas na CCJ aliados do presidente da Casa, os senadores Paulo Duque(PMDB-RJ) e Almeida Lima (PMDB-SE).   Paulo Duque assumiu o mandato de senador como suplente do atual governador do Rio de janeiro, Sérgio Cabral. O senador Christovam Buarque (PDT-DF) protestou e, surpreso, pediu providências. O senador Valter Pereira (PMDB-MS) considerou a decisão truculenta e disse que aconselhou Raupp a não tomar a atitude. O senador Sérgio Guerra (PSDB-PE) afirmou que o PMDB não é importante pelos empregos que tem no governo por homens públicos da categoria de Simon e Jarbas. Segundo ele, essa decisão mostra o ambiente de incerteza e truculência que vive o Senado. Depois de passar pelo Conselho de Ética, os processos contra Renan Calheiros serão encaminhados à CCJ. Com essa decisão, o senador Pedro Simon disse que vai votar contra a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) em plenário.

Tudo o que sabemos sobre:
CCJCaso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.