Renan faz ofensiva em busca de apoio contra a cassação

Depois de ameaçar senadores de oposição que se manifestaram pela sua cassação, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), adotou, a três dias do julgamento que decidirá seu futuro político, um tom emocional. Renan usou boa parte do feriado prolongado para uma ofensiva ao telefone, articulando com os aliados e contatando senadores da oposição, em uma cartada final para escapar da cassação no plenário da Casa. Nas conversas, reclamou principalmente do peso da pena - 12 anos fora da política, o que chegou a qualificar de ?um absurdo?.Nos telefonemas, Renan repetiu a cada interlocutor que é inocente e insistiu na tese de que as acusações de que é alvo se tratam de uma questão pessoal. O diálogo com senadores que prometeram votar contra ele ou ainda figuram na pequena lista dos indecisos foi curto.Renan não hesitou em pedir voto a vários dos que defendem a cassação de seu mandato na quarta-feira, quando o plenário julgará a representação. Segundo relato de um tucano influente na bancada do Senado, no telefonema, Renan tratou-o como amigo, elogiando a forma como vinha se conduzindo em relação a seu caso e dizendo que iria precisar dele.O processo pelo qual o presidente do Senado será julgado agora é o que se refere à acusação de que teve despesas pessoais pagas por um lobista da empreiteira Mendes Júnior. A denúncia, apresentada pelo PSOL, foi acolhida por 11 votos a 4 no Conselho de Ética, na semana passada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.